Portal de Angola
Informação ao minuto

Burla Tailandesa: Tribunal Supremo dita sentença terça-feira

JÚRIS DO CASO "BURLA TAILANDESA" (FOTO: PEDRO PARENTE)

Angop

A sentença do julgamento do caso “Burla Tailandesa” será conhecida próxima terça-feira (16), num processo em que são acusados dez réus, entre angolanos e estrangeiros, que decorre na 3ª secção da Câmara Criminal do Tribunal Supremo.

O facto foi anunciado nesta quarta-feira pelo júri da causa, após apresentar os quesitos que devem ser respondidos durante a leitura do acórdão na próxima terça-feira.

Entre os réus, acusados de defraudar o Estado angolano em USD 50 mil milhões, estão quatro angolanos, quatro tailandeses, um canadiano e um etíope.

O caso remonta de Novembro de 2017, quando o Serviço de Investigação Criminal (SIC) deteve um grupo de dez pessoas.

As investigações do SIC, no entanto, concluíram que não havia qualquer linha de crédito disponível desta empresa que viria à Angola a convite da ré angolana Celeste de Brito.

Terminadas as investigações no SIC, o Ministério Público os constituiu arguidos, acusando-os de crimes de associação criminosa, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e burla por defraudação.

Entre os angolanos destaque recai para Norberto Garcia, ex-director da extinta UTIP, órgão de apoio técnico ao Presidente da República em matéria de investimento privado, o presidente do Conselho de Administração da cooperativa Jango Yetu, Arsénio Manuel, adstrita às Forças Armadas Angolana (FAA).

Os quatro tailandeses chegaram a Angola com o objectivo de criar uma sucursal da Centennial Energy Company, Limited, para, alegadamente, investir no país o valor de USD 50 mil milhões.

Desde então, o caso, com o registo do cartório 001/18, passou a ser conhecido por “Burla Tailandesa”, arrolando 38 testemunhas, cujo julgamento levou 83 dias e 28 sessões de audiência e discussão.

Advogados aplaudem inovações

Durante a apresentação, discussão e aprovação dos mais de 100 quesitos, o advogado Sérgio Raimundo, destacou a apresentação, pela primeira vez, por parte do Tribunal Supremo, das respostas aos quesitos e torná-los público, uma prática contrária a seguida pelos tribunais comuns em Angola.

“Estamos perante um tribunal superior que trouxe alguma inovação. Vamos ver se a inovação trás ou não algo de positivo para melhorar a qualidade da nossa justiça”, disse.

Na mesma linha, o causídico Evaristo Maneco afirmou que o tribunal “caminhou bem” e espera que a sentença responda a cada um dos quesitos, manifestando-se optimista na absolvição do seu constituinte, Norberto Garcia.

Contradições marcam quesitos

Ainda durante apresentação de 106 propostas de quesitos apresentados, o Ministério Público solicitou ao júri que se crie um “quesito autónomo”, para a ré Celeste de Brito, sobre a falsificação de um documento supostamente subscrita pelo Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa.

O juiz Domingos Mesquita, presidente da causa, indeferiu tal pedido, por entender que nenhum réu provou em tribunal que a co-ré tenha falsificado aludida carta de chamada dirigida aos tailandeses.

Além disso, segundo o juiz, tal só seria possível se constasse no despacho de pronúncia (da autoria dos juízes) ou na de acusação (feita pelo Ministério Público).

Ainda no alinhamento das discussões, o advogado Sérgio Raimundo discordou o quesito 30, em que o juiz questiona se ficou provado que o réu (Arsénio Manuel) patrocinou o alojamento aos réus tailandeses.

Para o advogado, não se pode dizer que o réu tenha assumido as despesas do grupo tailandeses, em que se gastou USD 30 mil, quando, na verdade, agiu em nome da cooperativa Jango Yetu.

Ao rebater, o juiz disse que a pergunta (quesito) foi elaborada com base no despacho da pronúncia e da acusação.

Uma outra série de questões foi levantada pelas partes, terminando com consensos na elaboração dos quesitos cujas respostas serão dadas na próxima terça-feira para depois, no mesmo dia, fazer-se a leitura do acórdão (sentença).

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »