Portal de Angola
Informação ao minuto

O que restou da ponte aérea de Berlim

A felicidade das crianças ao ver um dos aviões chegando com mantimentos (DPA)

DW / por Clarissa Neher

Há 70 anos, aviões cortavam o céu da cidade levando mantimentos para abastecer o lado ocidental, que havia sido isolado pelos soviéticos. O aeroporto Tempelhof virou um símbolo deste período.

Há 70 anos, aviões das Forças Aéreas dos Estados Unidos e do Reino Unido cruzavam o céu de Berlim para abastecer o lado ocidental da cidade, que havia sido isolado com o bloqueio soviético. Os Rosinenbomber (bombardeiros das passas) entraram para a história da capital alemã, e hoje o antigo aeroporto Tempelhof, transformado em parque, preserva parte desta memória.

Em 24 de junho 1948, teve início o bloqueio soviético que impediu o acesso a Berlim Ocidental por vias terrestres e fluviais. A medida foi uma represália à determinação dos Aliados de introduzir o marco alemão como unidade monetária em toda a cidade, que, em ruínas, dependia da ajuda externa.

Com a decisão soviética, era preciso encontrar um meio de levar alimentos e produtos para o lado ocidental. Dois dias depois do início do bloqueio, aviões Aliados cruzavam os céus da Alemanha Oriental para abastecer a cidade, uma espécie de ilha em território comunista.

Um dos principais destinos dos voos que saíam de Hamburgo, Frankfurt e Hannover era o aeroporto de Tempelhof, que se tornou o símbolo deste episódio histórico. Além deste local, os aviões carregados de mantimentos pousavam ainda num terminal em Tegel e na área britânica de Gatow.

Durante quase um ano, até 12 de maio de 1949, quase 278 mil voos foram feitos para abastecer a cidade. Além de alimentos, os aviões traziam também combustível, máquinas e todo o tipo de bens de consumo necessários para a população.

O episódio mais marcante deste período ficou conhecido como Rosinenbomber. Ao posar em Tempelhof, num certo dia em julho de 1948, o jovem piloto Gail Halvorsen viu um grupo de crianças observando a movimentação dos aviões e foi até elas para distribuir chicletes que tinha trazido com ele. Diante da alegria das crianças, ele teve a ideia de jogar doces do avião na próxima viagem.

A iniciativa de Halvorsen foi imitada por vários de seus colegas, e esses voos de abastecimentos foram apelidados pelos berlinenses de Rosinenbomber. Até o fim da ponte aérea, cerca de 20 toneladas de chocolates e outros doces foram lançados nos céus de Berlim.

Com a criação dos dois Estados alemães e a separação definitiva do país, em 1949, o bloqueio foi levantado, e o aeroporto Tempelhof se tornou uma das principais portas de entrada de Berlim Ocidental.

Quem visita Berlim e deseja saber mais sobre essa história, uma boa dica é um passeio pelo antigo aeroporto Tempelhof, que se tornou um parque. Em frente ao prédio principal do terminal há ainda um monumento que recorda a ponte aérea.

Quem estiver na cidade no dia 12 de maio, poderá participar das comemorações dos 70 anos deste período. O ponto alto será uma festa no antigo aeroporto e atual parque, porém, sem os famosos bombardeiros de passas.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »