Portal de Angola
Informação ao minuto

Sydney, primeira cidade a apagar suas luzes pela Hora do Planeta

Afp

(Afp)

A famosa Ópera de Sydney e a ponte da Baía da cidade australiana apagaram suas luzes durante uma hora neste sábado (30), na chamada Hora do Planeta, para aumentar a consciencialização sobre as mudanças climáticas e seu impacto na biodiversidade.

Para a 13ª edição da Hora do Planeta, organizada pela ONG WWF, milhões de pessoas em 180 países vão apagar suas luzes às 20h30 para reflectir o impacto do gasto energético sobre as mudanças climáticas e seu papel fundamental na natureza.

“Somos a primeira geração a ter consciência que estamos destruindo o mundo. E podemos ser os últimos capazes de fazer algo a respeito”, diz a chamada da WWF.

“Nós temos as soluções, só precisamos que nossas vozes sejam ouvidas”.

O presidente da WWF-Austrália, Dermot O’Gorman, disse à AFP que “a Hora do Planeta continua a ser o maior movimento de base no mundo para que as pessoas adoptem medidas contra as mudanças climáticas”.

“Trata-se de incitar os indivíduos a realizar acções pessoais e, desta forma, se unir a centenas de milhões de pessoas em todo o mundo para demonstrar que não precisamos apenas de acções urgentes em relação às mudanças climáticas, mas também devemos proteger nosso planeta”, acrescentou.

Dezenas de empresas em todo o mundo se comprometeram a aderir a essa iniciativa de desligar as luzes por uma hora.

Inúmeros monumentos e edifícios emblemáticos vão permanecer às escuras entre 20H30 e 21H30, como a Torre de Xangai, o Porto Victoria de Hong Kong, a Torre Burj Khalifa de Dubai, a Praça Vermelha em Moscovo, a Acrópole de Atenas, a Torre Eiffel de Paris, as pirâmides do Egipto, a basílica de São Pedro de Roma, o Big Ben de Londres, o Corcovado do Rio de Janeiro e a sede da ONU em Nova York.

No ano passado, quase 7.000 cidades em 187 países apagaram as luzes de seus edifícios emblemáticos, segundo WWF.

Este ano, o apelo ocorre após a divulgação de relatórios globais com advertências urgentes sobre o estado do habitat natural e das espécies na Terra.

De acordo com o último relatório “Planeta Vivo” publicado pela WWF em 2018, entre 1970 e 2014, o número de espécimes de vertebrados – peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis -, caiu 60% em todo o mundo. Um declínio que atingiu 89% nos trópicos, na América do Sul e Central.

Enquanto esta acção, realizada em várias cidades ao redor do mundo, é um gesto simbólico, a Hora do Planeta liderou campanhas bem sucedidas na última década para proibir, por exemplo, os plásticos nas Ilhas Galápagos e plantar 17 milhões de árvores no Cazaquistão.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »