Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Protestos ante Westminster no dia em que o Reino Unido deixaria a UE

Afp

(DR)

Milhares de pessoas se manifestaram nesta sexta-feira em frente ao Parlamento britânico para exigir a implementação do Brexit, no dia em que o Reino Unido deveria deixar a União Europeia.

“O que queremos? O Brexit. Quando? Agora”, gritavam militantes eurocéticos, agitando bandeiras do Reino Unido.

Os deputados britânicos rejeitaram pela terceira vez nesta sexta-feira o acordo de divórcio negociado por Theresa May com a UE, mantendo o país na incerteza quanto ao seu futuro: longa extensão, saída sem acordo?

Para os manifestantes, convocados pelo movimento Leave means Leave (“Partir significa partir”), o importante é deixar a UE, mesmo que sem acordo.

“Nenhum acordo, nenhum problema”, “Bye Bye UE”, proclamavam alguns cartazes, enquanto alguns militantes exigiam um “Brexit duro” e “agora”.

“Deveríamos ter saído hoje da UE”, disse Will Smallwood, de 70 anos, de Chichester. Mas os deputados “só fazem besteira”, afirmou à AFP.

Há dois anos, a primeira-ministra Theresa May activou o artigo 50 do Tratado de Lisboa, lançando oficialmente o processo para deixar o bloco europeu, que terminaria em 29 de março de 2019 às 23h00, no horário local.

De forma imprudente, repetiu em seus discursos que o país deixaria a UE nesta data.

Mas, tendo fracassado em convencer os deputados a adoptar seu acordo, ela teve que pedir à UE o adiamento da data do divórcio, que ocorrerá o mais cedo em 12 de Abril.

– Partidários do “Frexit” –

Quase três anos após o referendo de Junho de 2016, em que o “Leave” venceu por 52%, o caos reina no Parlamento e a amargura domina a população, seja entre os eurocéticos, frustrados por não verem seu país deixar a UE, ou entre os pró-europeus, que gostariam de ver o Reino Unido voltar atrás em sua decisão.

Entre eles, o prefeito trabalhista de Londres, Sadiq Khan, inaugurou um ónibus que cruzará a capital para informar os cidadãos europeus sobre os procedimentos a serem realizados para permanecer no Reino Unido depois do Brexit.

Do outro lado do espectro político, militantes pró-Brexit completaram a última etapa de uma caminhada de 450 quilómetros do nordeste da Inglaterra até Londres. Vestindo a Union Jack como uma capa em seus ombros, desfilaram, alguns com sapatos próprios para caminhadas e outros em ternos.

De alto-falantes tocava a música “I want to break free” do grupo Queen.

Se o Reino Unido estivesse fora da União Europeia nesta sexta-feira como planeado, Jan Bowman teria “queimado fogos de artifício”. Em vez disso, esta artista de 63 anos marchou até Westminster com uma enorme faixa “Respeitem o Nosso Voto”, que ela mesma pintou. Ela acusa os deputados de terem “traído o voto popular”.

Os dois movimentos políticos franceses a favor da saída da França da União Europeia (Frexit), os Patriotes e o UPR, também estavam em Londres nesta sexta-feira.

– Orar pela nação –

À noite estão programadas “festas de despedida” tendo o Brexit como tema.

O Working Men’s Club de Bethnal Green, em Londres, promete uma “noite apocalíptica”.

“Então, solicite um visto (compre um ingresso) ou corra o risco de ser rejeitado pela alfândega – é hora de festejar como se fosse o fim do mundo, porque, vamos ser honestos, é isso que poderia acontecer”, alertam os organizadores.

Mais sóbria, a Igreja Anglicana chama os ingleses a confiar em Deus para a salvação do país e organiza durante os fins de semana momentos de oração e partilha.

Entre os textos sugeridos pela Igreja, uma oração pelo Reino Unido que pede “unir nossa nação e guiar nossos líderes”, ou outro destinado aos líderes da União Europeia, para que “eles possam liderar com sabedoria e perspicácia”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »