Portal de Angola
Informação ao minuto

Auditoria procura erros técnicos nas obras do Caminho-de-Ferro de Benguela

Voa

(Arquivo) Comboio dos caminhos de ferro leva passageiros da Matala a Menongue (Foto: Pedro Parente)

Pela primeira vez após a conclusão das obras no Caminho de Ferro de Benguela, o Governo angolano admite a hipótese de falhas técnicas na execução do projecto de reabilitação e modernização, orçado em dois mil milhões de dólares.

Na sequência do último acidente, entre as províncias do Huambo e Bié, há dois meses, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, revelou estar em curso uma auditoria independente, enquanto analistas sugeriam melhorias na capacidade operacional da empresa.

Numa cerimónia pública em que deixou várias perguntas, o docente universitário Joaquim Miranda assumiu que preferia ouvir mais sobre o CFB enquanto factor de crescimento económico.

‘’A que se deve o apagão do caminho-de-ferro a nível local?’’. Não sabemos. Tem a via para o aeroporto, não sei se pára. A única informação sobre o CFB, infelizmente, é quando há um descarrilamento’’, critica o professor.

O último acidente, um choque entre dois comboios, pode ter sido motivado por falta de sistemas de comunicação, conforme admitiu o presidente do Conselho de Administração do Caminho-de-Ferro.

Sem ter descartado a possibilidade de erro humano, Luís Teixeira adiantou que os meios contarão já com dispositivos de comunicação.

Com o inquérito em curso, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, revela que a empresa reitora dos caminhos-de-ferro na Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) está no terreno à procura de falhas técnicas no projecto levado a cabo pelos chineses da CR-20

‘’Trata-se de uma auditoria independente que nos vai trazer informações precisas sobre algumas deficiências que a nossa linha possa ter e as medidas correctivas. O prazo de garantia vence agora em Novembro deste ano. Vamos ver se fazemos correcções no trabalho já executado’’, aponta o governante.

O comboio experimental entre o Kuito (Bié) e Luena (Moxico) foi efectuado em 2012, cumprida que estava a reabilitação total dos 1334 quilómetros de linha, que incluem ainda as províncias de Benguela e do Huambo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »