Portal de Angola
Informação ao minuto

PGR recuperou activos do Fundo Soberano de Angola que estavam em posse da Quantum Global

Voa

Jean-Claude Bastos de Morais (Foto: Anita Baumann)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola confirmou ter retirado as acusações contra Jean-Claude Bastos de Morais, director-geral da Quantum Global, depois de ter recuperado todos os activos do Fundo Soberano de Angola (FSDEA).

Em comunicado divulgado horas depois da libertação de Morais Bastos nesta sexta-feira, 22, a PGR garantiu que “foram recuperados todos os activos financeiros e não financeiros pertencentes ao Fundo Soberano de Angola (FSDEA), que se encontravam sob gestão do Sr. Jean-Claude Bastos de Morais e das empresas do grupo Quantum Global, estando já os mesmos em posse daquela instituição (Fundo Soberano de Angola).

O valor global recuperado é de “cerca de dois mil e 350 milhões de dólares domiciliados em bancos no Reino Unido e das Ilhas Maurícias”.

A PGR acrescentou também ter recuperado “o património avaliado em cerca de mil milhões de dólares americanos, constituído por empreendimentos hoteleiros, minas de ouro, fazendas e resorts, sedeados em Angola e no exterior”.

Em consequência, o Ministério Público, em nota assinada pelo director do Gabinete de Comunicação Institucional de Bastos de Morais, “tendo-lhe sido restituída a liberdade”.

A história

Na terça-feira, 19, a VOA revelou que um tribunal das Ilhas Maurícias tinha retirado as acusações contra a Quantum Global, depois de a empresa ter chegado a um acordo com as autoridades angolanas.

O director executivo da Quantum Global, Tobias Alexander Klein, confirmou ter entregue na semana passada a um tribunal das ilhas Maurícias uma declaração juramentada na qual afirmou que “os diferendos” entre a Quantum Global e o Governo de Angola foram resolvidos.

As duas partes “concordaram em retirar todas as queixas em tribunais e nenhuma outra queixa será apresentada”, disse Klein, acrescentando que “a Procuradoria-Geral de Angola decidiu abandonar os procedimentos em curso contra ele em instituições penais”.

A Unidade de Inteligência Financeira (FIU) das Maurícias, que tinha originalmente pedido o congelamento das contas a pedido das autoridades angolanas, disse ao tribunal que não tinha nada a opor.

Em consequência, o juiz descongelou todas as contas da Quantum Global nas Maurícias em cerca de 490 milhões de dólares.

Empresa confirma acordo

Hoje, 22, após a libertação de Jean-Claude Bastos de Morais, director-geral da Quantum Global, a empresa revelou, em comunicado, que “foi celebrado um acordo de confidencialidade entre o Fundo Soberano de Angola (FSDEA) e o Sr. Jean-Claude Bastos de Morais, presidente e fundador do Grupo, e as partes da Quantum”.

Lê-se no comunicado que o acordo estabelece que “nenhuma das partes continue qualquer processo nos tribunais contra a outra, abrangendo desde o processo do FSDEA em jurisdições internacionais, incluindo Angola, Maurícias, Suíça e Reino Unido”.

Entretanto, na quarta-feira, 20, um dia depois da notícia ter sido avançada pela VOA, uma fonte Procuradoria-Geral da República de Angola, sem gravar entrevista, negou a declaração.

“A única coisa que lhe posso dizer é que nós não confirmamos esta informação”, avançou o porta-voz sem adiantar mais pormenores.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »