Portal de Angola
Informação ao minuto

“O governo é um deserto de ideias”, diz Maia

DW

"O Brasil precisa sair do Twitter e ir para a vida real", disse o presidente da Câmara (Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Após semana turbulenta, presidente da Câmara cobra que Bolsonaro deixe as redes sociais de lado e atue de forma mais ativa para aprovar a reforma da Previdência. “Não uso minhas redes sociais para agredir ninguém.”

O presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou neste sábado (23/03) que Jair Bolsonaro pare de terceirizar a responsabilidade pela articulação para aprovar a proposta da reforma da Previdência e assuma um papel mais ativo. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, ele também advertiu o presidente da República a deixar as redes sociais de lado e afirmou que o governo “é um deserto de ideais”.

“Ele (Bolsonaro) não pode terceirizar a articulação como ele estava fazendo. Transfere para o presidente da Câmara e do Senado uma responsabilidade que é dele e fica criticando: ‘Ah a velha politica está me pressionando’. Ele precisa assumir essa articulação porque ele precisa dizer o que é a nova política. Nós estamos na nova politica, nós queremos a nova politica, o Brasil quer mudar”, disse Maia após comparecer ao congresso do PPS, em Brasília.

A relação de Maia com o governo sofreu abalos ao longo da semana. Primeiro, ele demonstrou para aliados que estava irritado com ataques nas redes sociais que partiram de contas pró-Bolsonaro, que mantém proximidade com um dos filhos do presidente, o vereador Carlos. No meio da semana, ele entrou em uma disputa com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, que reclamou que Maia havia suspendido a tramitação do seu pacote anticrime.

Na quinta-feira, após a prisão do ex-presidente Michel Temer, Maia foi ainda alvo de uma provocação de Carlos Bolsonaro nas redes, que questionou “por que o presidente da Câmara anda tão nervoso?”. A mesma operação contra Temer também prendeu o ex-ministro Moreira Franco, que é padrasto da mulher de Maia.

No mesmo dia, a apresentação do projeto de reforma das aposentadorias dos militares desgastou a relação do Planalto com a Câmara, após dezenas de deputados afirmarem que o governo está tentando criar privilégios para a categoria.

No dia seguinte, irritado, Maia ameaçou deixar a articulação política da reforma da Previdência, que está na parada na Câmara. Neste sábado, ele baixou o tom e disse que os atritos com o Planalto são “página virada”.

Ao jornal o Estado de S.Paulo, Maia ainda afirmou que vai continuar a defender a proposta, mas apenas dentro do Congresso.

“[Vou continuar à frente da articulação] dentro do meu quadrado, sim. Agora, acho que quanto mais eles tentam trazer para mim a responsabilidade do governo, mais está piorando a relação do governo com o Parlamento. O governo precisa vir a público de forma mais objetiva, com mais clareza, com mais energia na votação da reforma.

Em outra entrevista publicada neste sábado, desta vez pelo jornal O Globo, Maia também disse “vou ajudar, vou continuar defendendo, não vou sair disso nunca”.

“Aliás, é muito interessante porque ficam dizendo nas redes sociais que estou contra a matéria. Me desculpe. Quem foi contra a matéria a vida inteira foi o Bolsonaro, não fui eu. Sempre estive neste campo: o da reforma do Estado, da reforma da Previdência e da economia de mercado. Estou no mesmo lugar, por isso, não tenho constrangimento de defender a reforma “, disse Maia.

O presidente da Câmara também cobrou que o governo pare de agitar sua militância nas redes sociais e disse que o governo não tem projetos amplos para o país.

“O Brasil precisa sair do Twitter e ir para a vida real. Ninguém consegue emprego, vaga na escola, creche, hospital por causa do Twitter. Precisamos que o País volte a ter projeto. Qual é o projeto do governo Bolsonaro, fora a Previdência? Fora o projeto do ministro Moro? Não se sabe. Qual é o projeto de um partido de direita para acabar com a extrema pobreza? Criticaram tanto o Bolsa Família e não propuseram nada até agora no lugar. (…) O governo é um deserto de ideias.”

Ainda neste sábado, em Brasília, Maia disse que Bolsonaro tem legitimidade para construir um novo momento do Brasil, mas que para que isso seja alcançado é necessário mostrar o que o seu governo pretende fazer de diferente em relação aos governos do PT.

“Porque senão a gente vai achar que os governos são muito parecidos, porque até agora ninguém propôs nada diferente do que o PT construiu nos últimos 13 anos. Um governo de direita não pode ser igual a um governo de esquerda.”

Em viagem ao Chile, Bolsonaro respondeu às críticas de Maia. “Os atritos que acontecem no momento, mesmo eu estando calado e fora do Brasil, acontecem na política lá dentro porque alguns, não são todos, não querem largar a velha política”, afirmou Bolsonaro.

“Nunca o critiquei, eu não sei por que ele de repente está se comportando dessa forma um tanto quanto agressiva no tocante à minha pessoa”, disse o presidente, que também afirmou que usa o Twittter apenas “20 minutos por dia”.

Após as declarações, Maia voltou a criticar o presidente. “Não uso minhas redes sociais para agredir ninguém, e sim para apresentar propostas, ideias e discussões para a sociedade”, disse Maia após um almoço com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

JPS/ots

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »