Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Ensino superior precisa de 10 mil docentes

MARIA DO ROSÁRIO SAMBO, MINISTRA DO ENSINO SUPERIOR, CIÊNCIA, TECNOLOGIAS E INOVAÇÃO (FOTO: GASPAR DOS SANTOS)

Angola precisa de pelo menos 10 mil professores a leccionar em tempo integral, para cobrir as exigências mínimas do sistema de ensino superior, afirmou, em entrevista exclusiva à Angop, a titular da pasta, Maria do Rosário Sambo.

O país conta, actualmente, com menos de três mil docentes a leccionar em tempo integral, para um universo de 79 instituições de ensino superior, das quais 24 públicas e 55 privadas.

No entender da governante, o número de docentes disponíveis ainda está longe do ideal.

“Com 10 mil estaríamos em melhores condições e requisitos mínimos”, declarou a ministra citada pela Angop, que disse existir um grande défice de docentes em todas as províncias.

Para minimizar o défice no ensino superior, serão enquadrados perto de 700 novos professores, por via da realização de concurso público para provimento de novas vagas.

Apesar do recrutamento, a “entrada em cena” dos novos docentes vai responder apenas 42 porcento das necessidades reais, de acordo com a titular do sector.

“Para termos um rácio aceitável, partindo do princípio que as instituições foram criadas e foi concebido um corpo, um quadro de pessoal na altura, temos que ter pelo menos dez mil docentes, ou seja, aqueles que estão no quadro de pessoal e em tempo integral”, declarou.

Maria Sambo precisou que o maior défice de docentes universitários no país está nos cursos de medicina ministrados fora de Luanda e de ciências da saúde, sem precisar números concretos.

“Todas as instituições de ensino superior públicas têm carência gritante de corpo docente e de pessoal não-docente. Por essa razão, temos um concurso público a decorrer”, afirmou a ministra.

Reconheceu haver, também, grandes dificuldade para precisar estatísticas concretas do sector.

“Quando se fala, por exemplo, que há dez mil docentes em todo o sub-sistema de ensino superior, sabemos que esta caracterização foi feita não tendo em atenção que muitos docentes das instituições públicas estão nas instituições privadas”, justificou.

Afirmou, a esse respeito, que muitos quadros das instituições de ensino superior públicas não são docentes em tempo integral, sublinhando que alguns ligados à função pública prestam também colaboração noutras instituições privadas.

Segundo a ministra do Ensino Superior, o país cobre actualmente, considerando o seu quadro de pessoal, “cerca de um quarto das necessidades que deveria”.

Por esta razão, lembrou, o Presidente da República, João Lourenço, autorizou a realização de concurso público no ensino superior, que disse já estar a decorrer.

Maria Sambo anteviu que, no próximo ano, venham a ser criadas condições para um outro concurso público, a fim de reduzir a carência de docentes e melhorar o rácio professor/aluno.

Durante a entrevista, referiu, por outro lado, que existe uma Estratégia Nacional de Formação de Quadros no Subsistema do Ensino Superior, “para que o número de docentes doutores e mestres predomine em relação ao número de licenciados”.

Por isso, disse esperar que no novo concurso público os candidatos sejam mestres, para entrarem como assistentes, e doutores, para entrarem como professores auxiliares.

Quanto à formação de professores, informou que existe um programa aprovado e publicado em Diário da República, que tem por objectivo principal fazer que no subsistema do ensino superior sejam formados os docentes para os níveis precedentes do ensino.

A meta é que, em alguns anos, os docentes que estiverem a ministrar aulas no ensino precedente ao ensino superior sejam todos licenciados no mínimo.

“Este trabalho exige que as próprias instituições do ensino superior vocacionadas para o ensino pedagógico se transformem, no sentido da melhoria dos currículos e da capacitação para cursos de pós graduação, mestrados e doutoramentos. Essas acções estão em curso”, expressou.

Lembrou, a esse respeito, que Angola tem feito recurso a países estrangeiros, como Cuba, para resolver a dificuldade de docentes, mas acredita que não é essa a solução.

“A solução é haver concursos públicos, para, de forma rigorosa, com critérios, serem seleccionados os melhores, porque há quadros desempregados no país e fora do país. Obviamente que a cooperação estrangeira é fundamental e importante”, exprimiu.

A seu ver, é preciso criar condições financeiras para pagar estes professores, sublinhando a importância de capacitar os técnicos nacionais.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »