Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Venezuela: Grupo de Lima condena “detenção ilegal” do chefe de gabinete de Guaidó

O Jogo/Lusa

Roberto Marrero (no centro) com Juan Guaidó (esquerda), em foto divulgada por Marrero em sua conta do Instagram (DR)

O Grupo de Lima, que integra vários países latino-americanos e o Canadá, condenou hoje em comunicado a “detenção ilegal” do chefe de gabinete de Juan Guaidó, Roberto Marrero.

No comunicado, o Grupo de Lima exige que o “regime ilegítimo e ditatorial” de Nicolás Maduro liberte “imediatamente” Marrero e pede ainda o “pleno respeito da imunidade parlamentar” do deputado Sergio Vergara, vizinho do detido e cuja casa foi alvo de buscas.

Fazem parte do Grupo de Lima a Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai e Peru,

Roberto Marrero, advogado de profissão, foi detido hoje de madrugada na sua casa por cerca de 50 membros dos serviços secretos venezuelanos (SEBIN).

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o opositor e presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro, não reconhecendo a legitimidade do governo liderado por este.

Cerca de 50 países, incluindo os Estados Unidos e a maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como presidente interino da Venezuela encarregado de organizar eleições livres e transparentes naquele país.

Na Venezuela, a crise tem tido repercussões políticas, económicas e humanitárias. No país residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Os mais recentes dados das Nações Unidas estimam que o número atual de refugiados e migrantes da Venezuela situa-se nos 3,4 milhões.

Só no ano passado, em média, cerca de 5.000 pessoas terão deixado diariamente a Venezuela para procurar proteção ou melhores condições de vida.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »