Portal de Angola
Informação ao minuto

PR manda vender património do Estado no estrangeiro

PRESIDENTE DA REPÚBLICA, JOÃO LOURENÇO (FOTO: CLEMENTE DOS SANTOS)

O Presidente da República (PR) deu ordem, através de um decreto, para que seja vendido, no estrangeiro, património do Estado afecto à diplomacia.

De acordo com o Novo Jornal Online, Esta decisão está enquadrada no programa de redimensionamento das missões diplomáticas e surge no resultado do encerramento de algumas missões diplomáticas e consulares no exterior do País, segundo o mesmo decreto.

“No resultado do encerramento, um conjunto de imóveis que constituem propriedade do Estado, integrados no seu domínio privado, ficaram numa situação de disponibilidade, não existindo especial conveniência para a sua manutenção enquanto património público”, pode ler-se no decreto assinado pelo PR.

Assim, o Chefe de Estado determina a “alienação, na modalidade de negociação com publicação prévia de anúncio”, das chancelarias das embaixadas de Angola no México e no Canadá, e da chancelaria do consulado de Angola em Durban, na África do Sul.

Foi ainda dada a ordem de alienação das residências oficiais dos embaixadores no Canadá e na Grécia, bem como a do cônsul de Angola em Durban, África do Sul.

De recordar que o Presidente da República exonerou, no dia 19 de Outubro de 2018, os embaixadores de Angola junto da CPLP, no México, na Grécia e no Canadá, decisão enquadrada no encerramento de oito representações diplomáticas de Angola – quatro embaixadas e igual número de consulados.

As mudanças levaram à exoneração de Luís de Almeida, embaixador na Missão de Angola junto da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), de Leogivildo da Costa e Silva, que estava colocado no México, Isabel Mercedes da Silva Feijó, que estava à frente da embaixada na Grécia e Edgar Gaspar Martins, que deixou o Canadá.

Já antes, em Maio de 2018, no discurso de abertura da VIII Reunião de Embaixadores, João Lourenço apelava à necessidade de “inaugurar uma era de maior responsabilização”, defendendo “uma mudança radical na gestão do Ministério das Relações Exteriores”, com “uma gestão parcimoniosa e exemplar dos fundos e do património da instituição, tanto em Angola como no exterior”.

No seu discurso de abertura, João Lourenço falou ainda na necessidade de racionalização de recursos, “de reduzir missões diplomáticas e consulares, e, em consequência, de pessoal a trabalhar nas missões que continuarem”.

“Com isto, aumentará o número de países onde teremos embaixadores acreditados mas não residentes, prática normal a que recorrem, de uma forma geral, todos os países, de acordo com os critérios por si definidos, e que em nada diminui a eficiência no atendimento aos países com quem mantêm relações diplomáticas”, declarou na ocasião o Chefe de Estado.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »