Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Panda e Ekuikui poderão ser ouvidos hoje em tribunal como declarantes

(DR)

Os ex-comandante-gerais da Polícia Nacional, Alfredo Eduardo Manuel Mingas “Panda” e José Alfredo “Ekuikui” podem ser ouvidos hoje no Tribunal Supremo como testemunhas no processo que envolve cidadãos nacionais e estrangeiros acusados de tentativa de burla ao Estado de 500 milhões de dólares com isco de 50 mil milhões.

De acordo com OPAÍS, os dois antigos comissários-gerais compareceram ontem no Palácio da Justiça, em Luanda, para prestarem declarações nessa condição, mas, atendendo o adiantar da hora, o juiz da causa, Domingos Mesquita, com a anuência dos juízes assessores, das instâncias do Ministério Público e dos advogados, optou pelo adiamento.

Durante a sessão, o tribunal inquiriu dois ex-técnicos da extinta Unidade Técnica para o Investimento Privado (UTIP) que integraram a equipa técnica que tratou da proposta de investimento privado da empresa tailandesa Centennial Energy (Thailand), Company, nomeadamente, Eusébio Américo Sapalo e Sílvia Irma da Cunha Fernandes.

Em declaração à instância do juiz da causa, a antiga chefe do departamento jurídico da extinta UTIP, Sílvia Fernandes, revelou que a primeira vez que viu a carta dada como forjada, com assinatura (declarada falsa em tribunal) do vice-presidente da República, Bornito de Sousa, dando conta de que o investimento tailandês seria bem-vindo ao país, lhe foi exibida pela pastora e empresária Celeste de Brito.

Declarou que tal ocorreu no dia em que ela foi à UTIP para dar a conhecer a intenção dos seus parceiros tailandeses investirem 50 mil milhões de dólares em projectos de carácter social e humanitário. Na ocasião, mostrou-se um dossier que carregava consigo, do qual faziam parte uma fotocopia do cheque contendo o montante acima mencionado, o manifesto de intenção de investir em Angola, a carta contendo a assinatura de Bornito de Sousa alegadamente forjada.

Para além destes documentos em físico, o dossier incluía uma pendrive contendo ilustrações de um projecto de uma cooperativa das Forças Armadas Angolanas que almejava concretizar. Surpreso com o que acabava de ouvir, o juiz Domingos Mesquita questionou a testemunha se tinha certeza do que estava a dizer, ao que ela respondeu positivamente.

O espanto devia-se ao facto de tanto Celeste de Brito, como os demais arguidos e os declarantes ouvidos em tribunal não conseguirem esclarecer ao certo de quem partiu a carta. Alguns deles tentaram atribuir a responsabilidade ao prófugo Pierre René, o canadiano que saiu do país meses antes de os seus sócios terem sido detidos. Durante o encontro que manteve com a empresária, que se fazia acompanhar por dois dos seus colaboradores, acordaram que no dia seguinte lhe seriam enviados os referidos documentos por email.

O que se concretizou, entretanto, sem a carta presumivelmente com a assinatura falsificada. Nos encontros seguintes, que serviram para preparar a vinda da delegação tailandesa ao país, foram lhe apresentados todos os documentos, com excepção da aludida carta. Domingos Mesquita localizou um exemplar do documento contendo a suposta assinatura de Bornito de Sousa para que a depoente pudesse confirmar se era aquela a que se estava a se referir. Sem rodeios, Sílvia Fernandes, de 26 anos, não hesitou em confirmar. Carlos Salumbongo, advogado de Celeste de Brito e dos tailandeses, que se havia abstido de lhe fazer qualquer pergunta, fez um comentário que mereceu uma chamada de atenção do juiz que conduzia o interrogatório.

Documento “desaparece” do processo

A ausência nos autos de um documento que a UTIP terá enviado ao Banco de Negócios Internacional (BNI), pedindo explicações sobre os resultados das diligências para se aferir a autenticidade do cheque de 50 mil milhões de dólares e se tinha cobertura, mereceu a atenção de Evaristo Maneco, advogado de Norberto Garcia, ex-director desse gabinete afecto ao Presidente da República. Questionada sobre o assunto, a jurista Sílvia Fernandes declarou que não foi ela quem fez o documento e que, na altura da sua elaboração se encontrava no exterior do país. Declarou que o dossier dos tailandeses que tinha no seu gabinete foi entregue por completo aos peritos da Procuradoria Geral da República, que o requisitaram.

Contou ainda que durante a reunião que mantiveram na sede do Banco Nacional de Angola (BNA) com José de Lima Massano, coadjuvado por um dos seus administradores, o alegado bilionário tailandês, Raveeroj Rithchoteanan, propôs fazer um negócio de ouro, algo que não era o objecto da reunião. De acordo com a testemunha, a audiência, solicitada pela UTIP, visava apenas a materialização da operação bancária e a apresentação, ao governador do banco central angolano, da forma como haveria de se processar o investimento.

Já Eusébio Américo Sapalo, ex-consultor do departamento jurídico da extinta UTIP, reafirmou que a sua antiga instituição fez diligências junto da Unidade de Informação Financeira (UIF) e do BNI para aferir a autenticidade do cheque e se tinha cobertura, no entanto, as respostas não foram conclusivas.

A última informação que receberam da UIF foi de que ainda não tinham uma resposta concreta e que continuavam a aguardar. Quando tivessem, haveriam de comunicar. “O BNI disse que das diligências feitas via electrónica não tinham uma resposta e recomendou à UTIP a diligenciar junto de outras instituições”, frisou. Acrescentou que “ficamos surpreendidos e não conseguimos compreender por que razão, a UTIP não tinha essa competência”. Além dos dois antigos comissários- gerais vão ser inquiridos a ex-directora adjunta dessa instituição, Cláudia Pedro, e Agostinho Kassinda, ambos também arrolados como testemunhas.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »