Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Banco Mundial aprova programa de 90 milhões de dólares para Moçambique

Observador/Lusa

(DR)

O Banco Mundial vai financiar Moçambique com 90 milhões de dólares, no âmbito do programa de gestão de acidentes e riscos (DRM), incluindo a minimização das consequências da passagem do ciclone Idai, que provocou a morte de 202 pessoas.

O financiamento, segundo a instituição, foi aprovado na terça-feira e destina-se à implementação do segundo plano DRM (Disaster Risk Management) em Moçambique, para melhorar a eficácia da proteção e ajuda às pessoas perante desastres naturais, incluindo a operacionalização e capitalização do recentemente criado Fundo de Gestão de Desastres e o fortalecimento da prontidão do país para responder a catástrofes e criação de resistência às questões climáticas e reforço e modernização das vulneráveis infraestruturas de educação.

“Quando aprovamos este financiamento, o meu pensamento foi para as famílias que foram vítimas do ciclone Idai e das inundações sazonais no centro de Moçambique. Nós asseguramos que nove milhões de dólares (7,2 milhões de euros) deste financiamento pode ser destinado à emergência, desde que o projeto continue efetivo”, realçou Mark Lundell, diretor para Moçambique do Banco Mundial.

“Este programa foi criado precisamente para reforçar a capacidade de resposta rápida do Governo a catástrofes naturais e a criação de resiliência nas comunidadeS face a futuros desastres naturais”, adiantou.

As evidências mostram que os que mais sofrem com as consequências das alterações climáticas e dos desastres naturais são os menos preparados e aqueles que têm uma limitada capacidade financeira para lidar com estes problemas, aponta o Banco Mundial, em comunicado.

O Banco Mundial estima que o programa, avaliado em 90 milhões de dólares (72,9 milhões de euros), poderá beneficiar diretamente um total de 3,3 milhões de pessoas, incluindo mulheres e outros grupos vulneráveis, como as crianças, que terão benefícios através do reequipamento das escolas.

A exposição de Moçambique aos efeitos das alterações climáticas, reforça a importância do fortalecimento da resiliência financeira do país, defende o Banco Mundial.

O total de fundos para este programa DRM ascende a 132,27 milhões de dólares (116,5 milhões de euros), dos quais 90 milhões de dólares são assegurados pelo Banco Mundial, através das ações de ajuda ao desenvolvimento. O Global Risk Financing Facility assegura seis milhões de dólares (5,2 milhões de euros) e o Governo de Moçambique garante os restantes 36,27 milhões de dólares (32 milhões de euros).

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué já provocou mais de 300 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos.

Em Moçambique, o Presidente da República, Filipe Nyusi, anunciou na terça-feira que mais de 200 pessoas (202, oficialmente) morreram e 350 mil “estão em situação de risco”, tendo decretado o estado de emergência nacional.

O país vai ainda cumprir três dias de luto nacional, até sexta-feira.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

A Cruz Vermelha Internacional indicou na terça-feira que pelo menos 400 mil pessoas estão desalojadas na Beira, em consequência do ciclone, considerando tratar-se da “pior crise” do género no país.

No Zimbabué, as autoridades contabilizaram pelo menos 100 mortos e mais de 200 desaparecidos, enquanto no Malaui as únicas estimativas conhecidas apontam para pelo menos 56 mortos e 577 feridos.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »