Portal de Angola
Informação ao minuto

População preocupada com o aumento dos preços dos produtos da cesta básica

Os principais produtos que compõem a cesta básica, como açúcar, arroz, óleo, massa alimentar e outros registam, nos últimos dias, uma acentuada subida de preços, nos principais armazéns e mercados formais e informais na cidade do Uíge.

Durante uma ronda efectuada quinta-feira pela Angop, nos armazéns grossistas da capital, constatou-se que o saco de açúcar de 50 quilos subiu para nove mil kwanzas, contra oito mil anteriores, ao passo que o de arroz de 25 kg, que era comercializado a quatro mil kzs, agora custa cinco mil e 500 kz.

Enquanto o saco de feijão de 25 kg, que era vendido a cinco mil kz, agora custa sete mil, assim como a caixa de massa e a de óleo alimentar, cujos preços variavam de dois mil kwanzas, para dois mil e 200 kz, esta agora a três mil e 500 a cinco mil kwanzas, respectivamente.

Regista-se também um aumento nos preços do saco de fuba de milho de 50 kg, de cinco mil kwanzas para nove mil.

Outras alterações verificam-se igualmente no aumento dos preços de alguns frescos, com destaque para caixa de carapau que custava 12 mil kwanzas, para 18 mil.

A caixa de coxa de frango, que custava quatro mil kz, agora passou a cinco mil e 500, e de galinha “rija” nove mil e 500 kwanzas, contra sete mil anteriores. A de costelas de vaca agora custa seis mil kwanzas, contra cinco mil anteriores.

Diante da situação, as vendedoras do Mercado Municipal do Uíge alteraram também os preços, estando agora a ser vendido o quilo de arroz a 300 kz, contra 200 anteriormente, açucar 500 kz, contra 250, fuba de milho 350 kz, contra 300 kwanzas.

Questionada sobre o fenómeno, a vendedora do Mercado Municipal, Inês de Oliveira disse que os preços na Praça Grande subiram porque os armazéns grossitas o fizeram.

Por sua vez, Regina João Teca pede ao executivo local e central de Angola para trabalhar mais, no sentido de melhorar a actual situação de alteração constante dos preços dos produtos da cesta básica, o que faz sofrer à população.

Este sentimento é partilhado igualmente pela maioria dos cidadãos da província que lamentam pela perca, cada vez mais, do poder de compra.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »