Portal de Angola
Informação ao minuto

Tráfico de droga sem controlo na Guiné-Bissau, diz relatório dos EUA

VOA

Departamento de Estado denuncia impunidade e violência contra mulheres (DR)

A situação dos direitos humanos na Guiné-Bissau não é boa, advertiu nesta quarta-feira, 13, o Departamento de Estado americano em Washington.

O Relatório sobre os Direitos Humanos no Mundo 2018 faz um desenho sombrio da situação, nomeadamente “a corrupção oficial exacerbada pela impunidade dos funcionários do Governo e suspeita de envolvimento no tráfico de drogas, falta de investigação e responsabilização em casos de violência e discriminação contra as mulheres, incluindo mutilação genital feminina e feminino, tráfico de pessoas e trabalho infantil nas suas piores formas”.

Para o Departamento de Estado americano, as “condições carcerárias apresentam risco de morte”, num país com “falta de independência judicial e o devido processo legal”.

Apesar de o Governo ter tomado medidas para investigar e punir os funcionários que cometeram abusos, “a impunidade em geral permaneceu um problema sério e as condições de confinamento eram pobres”, lê-se no relatório que cita dois casos de violência sexual contra mulheres perpetrados por polícias e denunciados pela Liga dos Direitos Humanos da Guiné-Bissau.

A imprensa independente manteve-se activa e expressou uma ampla variedade de visões sem restrições, mas, diz o documento, “o Governo não tomou medidas para preservar a segurança e a independência da imprensa ou para processar indivíduos que ameaçaram jornalistas”.

O relatório de Washington revela que “o tráfico de droga é praticado por membros da sociedade civil e das forças militares” e que cartéis internacionais de tráfico de drogas têm “entrada facilitada no país e assistência no transporte e armazenamento”.

A falta de investigação ou de leis eficientes que proíbam o narcotráfico contribui para uma “percepção do envolvimento militar e governamental no tráfico de narcóticos”, na óptica do documento, que ainda aponta a ineficácia da polícia, “uma classe profissional que trabalha sem treino prévio e que é mal paga e corrupta”.

Violência contra a mulher

O relatório é claro ao afirmar que as forças da ordem não têm dinheiro suficiente para comprar combustível para os veículos da polícia, que “muitas vezes pede pagamento de subornos aos motoristas”.

O Departamento de Estado americano conclui que “o trabalho infantil é frequente e força as crianças a serem mendigas e a ocuparem-se de trabalhos de agricultura ou em minas e outras actividades”.

Por outro lado, o relatório assegura que “o abuso e violência contra as mulheres toma grandes proporções” e alerta para “a prática da mutilação genital feminina em meninas com menos de cinco anos, apesar da existência de leis que condenam e proíbem o hábito”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »