Portal de Angola
Informação ao minuto

Ronaldo, o extraterrestre

É nos momentos certos que aparece. Ronaldo faz a diferença, marca, galvaniza, apura a sua equipa, bate recordes e anseia por novas conquistas. Que mais se pode pedir a um jogador de futebol?

Segundo escreve a DW África, 150 jogos e 120 golos: Cristiano Ronaldo, “o extraterrestre”, o “monstro”, “a lenda” ou, simplesmente, o melhor marcador da Liga dos Campeões, continua a superar-se e a reinventar-se, aos 34 anos de idade.

O avançado português, que esta época trocou (após nove anos de “fidelidade”) o Real Madrid pela Juventus, prometeu aos mais próximos marcar três golos no jogo frente ao Atlético de Madrid. Era a conta necessária para a “vecchia signora” dar a volta a uma péssima apresentação em Madrid (derrota por 2-0) e seguir em frente na competição que há muito tenta conquistar.

Para CR7, que ganhou as três últimas edições da prova milionária da UEFA e já vai em cinco conquistas (procura a sexta para igualar Gento, o único jogador da história que conquistou meia dúzia de títulos máximos do futebol europeu de clubes), a edição deste ano, mais do que um desafio, significa uma aposta pessoal: ao mudar-se para Turim confere à equipa alvinegra a mais-valia que Agnelli e Allegri procuravam, o trunfo decisivo para os momentos complicados, a alma suplementar que pode tocar o céu.

A noite desta terça-feira, em Turim, mostrou o melhor Cristiano: com raça, foco, senhor de uma intuição única e, sobretudo , a dizer “presente” quando a equipa precisava verdadeiramente dele. Dois golos de cabeça e um de grande penalidade, já próximo do final do encontro, foram a resposta fria a Florentino Pérez, com quem as relações do jogador madeirense esfriaram significativamente, a ponto de ter forçado claramente – com o apoio do seu empresário de sempre, Jorge Mendes – a saída de Santiago Bernabéu. E, numa eliminatória em que o Real Madrid foi estrondosamente afastado da Liga dos Campeões pelos jovens holandeses do Ajax, a conquista da Juventus perante o Atlético de Madrid ganha uma ironia especial.

Ronaldo, um jogador de recordes

Acumula números excecionais e não se prevê quando possa abrandar. Assim é o jogador nascido no Funchal e lançado pelo Sporting no futebol profissional. Olhemos os números, que falam por si…

Melhor marcador das competições de clubes da UEFA, com 124 golos;

Goleador máximo da Liga dos Campeões, com 122 golos;

Melhor marcador de uma temporada na Liga dos Campeões, com 17 golos em 2013/2014;

Mais finais da Liga dos Campeões ganhas (cinco);

Único jogador que marcou em três finais da Liga dos Campeões;

Único jogador que marcou nos seis jogos da fase de grupos da competição;

Único jogador a marcar em onze jogos consecutivos da Liga dos Campeões;

Melhor goleador de sempre do Real Madrid: 450 golos;

Mais vezes considerado Jogador do Ano para a UEFA (quatro);

Mais “Bolas de Ouro” (cinco, em conjunto com Lionel Messi);

Ronaldo e Messi: haverá reencontro?

Numa temporada em que também Lionel Messi parece regressar ao apogeu da sua forma com a camisola do Barcelona (embora, com a mudança de Cristiano para Itália, se tenham perdido os duelos diretos entre os astros argentino e português), as próximas semanas serão de acesa competição: a Champions League será o grande objetivo dos dois astros (que até se pode encontrar antes da final, se os sorteios assim o ditarem…), mas as respetivas ligas domésticas continuam a ser igualmente fundamentais. E se o Barcelona domina La Liga, a Juventus é rainha e senhora da Serie A.

Portanto, mais um ano a ganhar (quase) tudo e, na perspetiva do “internacional” português, com a possibilidade adicional de vencer também a edição inaugural da Liga das Nações, uma vez que a sua seleção está apurada para a “final four”, em junho.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »