Portal de Angola
Informação ao minuto

Tribunal timorense declara inconstitucional parte da alteração à Lei de Atividades Petrolíferas

Diário de Notícias/Lusa

O Tribunal de Recurso timorense declarou inconstitucional parte das alterações à Lei de Atividades Petrolíferas, nomeadamente a referência ao novo tratado de fronteiras marítimas entre Timor-Leste e Austrália, segundo o acórdão ao qual a Lusa teve acesso.

A decisão — aprovada pelos juízes Deolindo do Santos e Guilhermino da Silva, com o voto de vencido de Maria Natércia Gusmão — declara “a inconstitucionalidade, com força obrigatória geral” da alteração na lei sobre a definição do tratado.

Os juízes deliberaram ainda “não declarar nem a inconstitucionalidade nem a legalidade (…) das demais normas” das alterações questionadas pelos deputados.

A decisão surge depois de 23 deputados da oposição apresentarem em janeiro ao Tribunal de Recurso um pedido de fiscalização da constitucionalidade de várias alterações à Lei de Atividades Petrolíferas (LAP) que consideravam ir “muito para além do seu objeto, violando o disposto na lei do Fundo Petrolífero (FP) — lei de valor reforçado ou lei com caráter de prevalência ou proeminência sobre as leis ordinárias que a contrariem”.

Às alterações à LAP são essenciais para que o Governo concretize, antes de 31 de março, a compra das participações da ConocoPhillips e da Shell no consórcio do Greater Sunrise, no Mar de Timor.

Fonte judicial do Governo disse à Lusa que a decisão do Tribunal de Recurso não afeta o processo de compra que dará a Timor-Leste uma maioria de 56,6% do capital do consórcio.

A notificação do acórdão, com a data de 08 de março, aconteceu na segunda-feira no Parlamento Nacional junto dos 23 deputados requerentes e do procurador-geral da República.

Em concreto, a declaração de inconstitucionalidade abrange apenas a alteração ao artigo 2 da LAP no que toca à definição de tratado.

A versão anterior da lei, de 2005, definia tratado como “o Tratado do Mar de Timor celebrado em 20 de maio de 2002 entre o Governo de Timor-Leste e o Governo da Austrália”.

Na nova versão o tratado passava a significar “o Tratado entre a República Democrática de Timor-Leste e a Austrália que estabelece as Respetivas Fronteiras Marítimas no Mar de Timor, celebrado em 6 de março de 2018”.

Esse tratado não foi ainda ratificado pelos dois países pelo que, formalmente, não está ainda em vigor, aspeto contestado pelos deputados, aos quais o Tribunal de Recurso deu razão.

No seu pedido de fiscalização da constitucionalidade os deputados contestavam ainda a exclusão do visto prévio da Câmara de Contas, colocando em causa princípios de transparência na gestão financeira do FP e sustentam que a lei se refere a um tratado — o de fronteiras marítimas com a Austrália — que ainda não foi ratificado.

Os deputados sustentavam também que a mudança “viola as competências colegiais do Conselho de Ministros e/ou do Governo, nomeadamente o princípio da imodificabilidade de decisões, esvaziando os princípios da especialidade dos órgãos de soberania e da colegialidade”, questionam ainda a retroatividade da sua aplicação e consideram que a superação do veto presidencial não cumpriu as formalidades constitucionais.

As alterações em causa foram aprovadas pela maioria do parlamento, vetadas pelo Presidente, reaprovadas pelos deputados e promulgadas pelo chefe de Estado, tendo a oposição apresentado um pedido de fiscalização da constitucionalidade das mudanças.

As alterações à LAP versam sobre a “participação do Estado em operações petrolíferas”, tendo sido acrescentada a possibilidade de essa participação ser feita “através de entidades integralmente detidas ou controladas” por pessoas coletivas públicas timorenses”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »