Portal de Angola
Informação ao minuto

Ministério Público brasileiro diz que política indígena de Bolsonaro é inconstitucional

Sic Notícias/Lusa

Os índios são os primeiros habitantes do Brasil (DR)

Ministério Público Federal pronunciou-se contra a decisão de Bolsonaro de transferir do Ministério da Justiça para o da Agricultura.
O Ministério Público Federal brasileiro descreveu como “inconstitucionais” as principais medidas anunciadas pelo Governo do Presidente Jair Bolsonaro para modificar a política que afeta a população indígena do país, foi divulgado esta quinta-feira.

Num estudo técnico hoje conhecido, o Ministério Público Federal questiona a constitucionalidade e validade jurídica de dois decretos e uma medida provisória que o Presidente Bolsonaro publicou pouco depois de assumir o seu mandato, no dia 1 de janeiro.

O documento, refere um comunicado divulgado pelo órgão, afirma que a “política indigenista instituída por tais decretos viola o estatuto constitucional indígena e os direitos dos povos a serem previamente consultados sobre qualquer medida que os afete, como está previsto na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT)”.

Mais concretamente, o Ministério Público Federal pronunciou-se contra a decisão de Bolsonaro de transferir do Ministério da Justiça para o da Agricultura – que defende os interesses dos grandes proprietários rurais – a responsabilidade de delimitar as reservas indígenas.

Manifestou-se ainda contra a medida que converte a Fundação Nacional do Índio (Funai), organismo responsável pela política indígena e que era dependente do Ministério da Justiça, numa entidade ligada ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

“Ao transferir a delimitação de terras (indígenas) para o Ministério da Agricultura, a norma coloca em conflito os interesses dos povos indígenas com a política agrícola do Governo”, alega o Ministério Público Federal. Consideram ainda que os interesses indígenas também estão em conflito com os do Ministério da Mulher.

Dessa forma, o Ministério Público Federal “defende que a delimitação das terras indígenas deve voltar a ser da responsabilidade do Ministério da Justiça, que seria um mediador imparcial em caso de conflito de interesses”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »