Portal de Angola
Informação ao minuto

Governo da Venezuela rejeita apelo da UE sobre expulsão de embaixador da Alemanha

(DR)

Segundo o DN que cita a Lusa, o governo venezuelano de Nicolás Maduro reiterou hoje a ordem de expulsão ao embaixador da Alemanha naquele país, recusando o apelo da União Europeia para “reconsiderar” a sua decisão.

“O ex-embaixador da Alemanha na Venezuela foi declarado ‘persona non grata’ em estrita conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas. Tudo indica que o seu errático serviço de assessoria jurídica necessita de alguns ajustes”, escreveu Jorge Arreaza, ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, na rede social Twitter, em resposta à chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini.

A União Europeia condenou “firmemente” a expulsão do embaixador da Alemanha na Venezuela, Daniel Kriener, declarou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, em nome dos Estados-membros.

Num comunicado no qual expressa “total solidariedade” para com a Alemanha, a Alta Representante da UE para a Política Externa estima que “medidas que dificultam o trabalho diplomático apenas contribuem para o escalar das tensões e para minar uma solução política para a crise.

A Venezuela declarou, na quarta-feira, ‘persona non grata’ o embaixador da Alemanha em Caracas, acusando-o de “recorrentes atos de ingerência” nos assuntos internos e dando-lhe 48 horas para sair do país.

“Concede-se ao Sr. Kriener um período de 48 horas para deixar o território da República Bolivariana da Venezuela”, segundo um comunicado do Ministério de Relações Exteriores venezuelano.

A medida é justificada com a alegada ingerência do diplomata alemão nos assuntos internos do país.

O presidente da Assembleia Nacional e autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, considerou que a expulsão de Kriener constitui uma “ameaça” por parte de um “regime” que não possui qualidades.

Kriener encontrava-se entre os embaixadores que receberam na segunda-feira Guaidó no seu regresso à Venezuela. No grupo de diplomatas figurava igualmente o embaixador de Portugal na Venezuela, Carlos Nuno Almeida de Sousa Amaro.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »