Portal de Angola
Informação ao minuto

Cortes e de falta de pessoal podem ter contribuído para roubo de Tancos

Observador/Lusa

(Foto: Paulo Cunha/Lusa)

As associações de oficiais, sargentos e de praças queixaram-se hoje dos cortes orçamentais e a falta de pessoal nas Forças Armadas, admitindo que podem ter contribuído para o furto aos paióis de Tancos, em junho de 2017.

O presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA), António Mota, classificou como “muito grave” o furto de material de guerra dos paióis de Tancos, afirmando que “afetou claramente a dignidade das Forças Armadas”.

Primeiro a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito para apurar as responsabilidades do furto de Tancos, António Mota considerou que o furto “começa por ser estranho”, mas enquadrou o caso no contexto das restrições orçamentais e da falta “colossal” de efetivos nas Forças Armadas.

“Ficam espantados quando estas coisas acontecem? Claro que vão acontecer mais vezes. Continuemos, o país, a permitir que se reduzam efetivos militares à velocidade colossal, continuem a não fazer os investimentos nos orçamentos de funcionamento das Forças Armadas e estas situações irão ocorrer de novo”, declarou.

“Só não irão ocorrer se o poder político revir o que pretende das Forças Armadas e finalmente as dotar de meios humanos e recursos financeiros e logísticos” necessários ou, em alternativa, quando os chefes militares começarem a dizer “que não é possível cumprir as missões”.

António Mota destacou ainda que as Forças Armadas estão a “perder mil efetivos por ano” e que “no terreno os comandantes queixam-se da falta de efetivos”, uma situação que se agrava, disse, quando, “depois, o pouco que ainda há é canalizado para as missões de âmbito operacional”.

Quanto a responsabilidades, António Mota declarou que “efetivamente existem, do soldado ao general”, mas, frisou, “os militares cumprem missões”, e que “é o poder político que determina as missões”.

O coronel insistiu neste ponto, afirmando que “tem de se proporcionar os meios necessários e suficientes para que as missões sejam cumpridas e isso não acontece em Portugal há décadas”.

Questionado sobre as exonerações dos comandantes das cinco unidades responsáveis pela segurança dos paióis, António Mota considerou que foi uma decisão “legal e legítima” do então Chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte.

Na audição seguinte, Mário Ramos, presidente em exercício da Associação Nacional de Sargentos (ANS), considerou grave o furto em Tancos e alertou para “um desinvestimento continuado ao longo de 20 anos nas Forças Armadas”.

Mário Ramos complementou o cenário com a análise de que os efetivos militares estão abaixo dos 32 mil previstos, o material e o equipamento estão degradados e há falta de incentivos para captar jovens para as fileiras.

“Isto é um reflexo de tudo o que aconteceu em Tancos”, declarou o responsável da ANS, queixando-se que os militares têm sido “por vezes, laboratórios para determinadas soluções que mais tarde se verifica serem inadequadas”.

O dirigente da ANS evitou comentar questões operacionais – a forma como era feita a segurança dos paióis — e nada disse sobre a decisão de exonerar cinco comandantes de unidades, remetendo as explicações “para os chefes”.

E criticou a punição disciplinar a um sargento, um cabo e um oficial “para aliviar a pressão momentânea” após o furto, discordando que sejam usados como “os bodes expiatórios”.

O último a ser ouvido, Luís Reis, presidente da Associação de Praças, alinhou nas queixas quanto à falta de pessoal e apontou às falhas do material, como as vedações ou a videovigilância que não funcionava.

Luís Reis afirmou ainda que ninguém compreende porque é que Tancos, sendo “um problema crónico”, ninguém “tomou a decisão de reparar as vedações e a videovigilância”.

Para este dirigente associativo, o ex-Chefe do Estado-Maior do Exército Rovisco Duarte deveria ter-se demitido mais cedo, dado que estava no topo da hierarquia de comando em que foram responsabilizados, por exemplo, um cabo, um sargento e um oficial com a responsabilidade da segurança das instalações.

Na sua opinião, “é curto” o número de militares que fazia as rondas aos paióis de Tancos.

E se o orçamento, queixou-se Luís Reis, pode ter tido aumentos, as cativações feitas pelo Governo, condicionam o normal funcionamento das Forças Armadas.

O caso do furto de armas em Tancos ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do crime.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »