Portal de Angola
Informação ao minuto

Campeã, Mancha Verde é ‘nova rica’ em meio a crise das grandes tradicionais

Folha de São Paulo

(Ricardo Matsukawa/UOL)

Patrocinadora do Palmeiras deu cerca de R$ 3,5 milhões para escola, o dobro do valor pago pela prefeitura.

Antes que a Mancha Verde entrasse na avenida do Anhembi, no sábado (2), seu presidente, Paulo Serdan, disse que ninguém tiraria o título da escola desta vez. E ele estava certo. Com posições cada vez melhores nos últimos anos, a Mancha conseguiu seu primeiro título do Carnaval em 2019.

A melhora gradual de desempenho pode ser entendida, em grande parte, a partir da ajuda financeira que passou a receber da Crefisa, patrocinadora do Palmeiras. A escola é uma extensão da torcida organizada do clube.

O dinheiro doado para a organizada faz parte da estratégia da dona da Crefisa, Leila Pereira, de conseguir apoio na política do Palmeiras.

Em 2019, segundo informações do Ministério da Cultura, ela doou quase R$ 3,5 milhões para que a Mancha fizesse seu desfile. Desde 2016, quando começou a passar dinheiro para a organizada, já deu mais de R$ 6 milhões por meio da lei Rouanet (Lei Federal de Incentivo à Cultura).

Para efeito de comparação, a Prefeitura de São Paulo repassou R$ 1,18 milhão para cada escola do Grupo Especial, ou seja, menos da metade do que a Mancha recebeu da patrocinadora palmeirense.

Por outro lado, o rebaixamento inédito da Vai-Vai para o Grupo de Acesso não é evento isolado. Três das quatro mais tradicionais escolas já estão nele em São Paulo: Peruche, Camisa Verde e Branco e Nenê de Vila Matilde. Elas podem voltar ao Especial após apuração de suas notas nesta terça-feira (5).

No caso da Mancha Verde, a relação de Leila Pereira com a escola é tão próxima atualmente que a quadra da escola de samba passou a se chamar “arena José Roberto Lamacchia [marido de Leila, dono da Crefisa e também conselheiro do Palmeiras] & Leila Pereira”.

Em anos anteriores a escola chegou a pensar um carro alegórico sobre Byron, o cachorro de Leila que aparece nos comerciais da Crefisa, mas a homenagem foi dispensada pelo casal.

Entre 2013 e 2015, anos que antecederam o apoio da Crefisa, a escola oscilou entre as últimas colocações no Grupo Especial e as primeiras do Grupo de Acesso. Após o começo da ajuda, a escola conseguiu ser campeã do Grupo de Acesso (2016), 10ª colocada (2017), 3ª colocada (2018) e, enfim, campeã.

No desfile deste ano, a escola usou o enredo “Oxalá, salve a princesa! A saga de uma guerreira negra” para contar a história da princesa africana Aqualtune, avó de Zumbi dos Palmares, e, por meio dela, discutir escravidão, intolerância religiosa e direitos humanos.

Para este ano, contratou o renomado carnavalesco Jorge Freitas, que já tinha quatro títulos do Grupo Especial.

A Mancha Verde apostou em fantasias com texturas que remetiam à tradição africana, com cores arenosas e terrosas e padrões de pele de onça e de tigre. Máscaras africanas despontaram de todos os lugares. A riqueza de detalhes foi um ponto forte.

Uma das alas mais impressionantes do desfile contava com passistas grávidas com mãos acorrentadas, em uma representação de escravas usadas para reprodução.

O enorme abre-alas, com dois acoplamentos, apareceu com elefantes e bustos de mulheres negras. Bastante colorido, foi um dos pontos altos do desfile.

O último carro mostrava um grande busto dourado de Zumbi dos Palmares, feito de ferro, que será doado ao Museu Afro Brasil.

VAI-VAI
A maior campeã do Carnaval paulistano, a Vai-Vai fez um belo e emocionante desfile este ano, apesar de carros alegóricos com acabamentos mais simples que as grandes escolas este ano. A arquibancada cantou e vibrou com o samba que falava sobre a rica herança e o futuro glorioso dos povos negros.

O clima da escola na dispersão do Anhembi após sua apresentação era de comemoração. O otimismo, porém, não se confirmou quando foram lidas as notas dos jurados.

Foi determinante para o rebaixamento da Vai-Vai o seu desempenho na comissão de frente, onde perdeu 0,7 pontos, dos 30 possíveis. A escola perdeu ainda 0,4 pontos no quesito alegoria e 0,1 em fantasia.

O desempenho inconstante da Vai-Vai nos últimos Carnavais já havia aberto uma crise interna na escola, que não vence desde 2015. No ano passado, ao fazer uma homenagem a Gilberto Gil, a escola obteve a decepcionante 10ª colocação (o pior resultado em 14 anos).

Em entrevista publicada na Folha, o presidente de honra da escola, Edimar Tobias da Silva, critica a atual diretoria da Vai-Vai que estaria lutando para se perpetuar no comando da escola.

Ele cita ainda que a agremiação teria R$ 3 milhões em dívidas (não comentadas pela atual diretoria), o que impactaria diretamente na qualidade do desfile.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »