Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Trabalhadores da TPA e RNA têm salários miseráveis, denuncia presidente do sindicato

Teixeira Cândido, Secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas. (Foto: Joaquina Bento)

Os jornalistas da rádio e televisão públicas de Angola, TPA e RNA, vão mais uma vez remeter uma carta à direcção daqueles órgãos para mostrarem a sua insatisfação frente às respostas dos administradores, antes de decidirem se avançam ou não para uma greve que pode ser histórica no país.

Para o Sindicato de Jornalistas Angolanos (SJA), diz a VOA, o impasse está no ajuste salarial e a aplicação de um qualificador ocupacional.

As respostas das direcções da TPA e RNA foram dadas nos prazos legais, mas não satisfizeram as exigências de ajuste salarial e aplicação de um qualificador ocupacional.

Para Teixeira Cândido, presidente do SJA, as direcções da TPA e da RNA terão de rever estes dois elementos para não forçar uma greve naqueles órgãos.

“A questão salarial e o qualificador ocupacional são as nossas duas maiores preocupações”, explicou Cândido que prometeu entregar na quarta-feira, 6, uma carta às direcções daquelas empresas como réplica.

O sindicalista afirma ser inacreditável o estado de mendicidade a que são submetidos os jornalistas angolanos deste órgãos.

“São inacreditáveis os salários que se pagam aos jornalistas destes órgãos”, concluiu.

Recorde-se que entre as reivindicações está a definição de um salário mínimo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »