Portal de Angola
Informação ao minuto

Há 1.700 espécies de animais em risco acrescido de extinção até 2070 – por acção humana

Cobo-do-Nilo (Kobus megaceros), fotografados no templo de conservação de San Diego, Califórnia, EUA (San Diego Zoo / Animals & Plants)

Anfíbios, aves e mamíferos correm risco de desaparecer devido à ocupação humana dos seus ‘habitats’

De acordo com o Expresso, um estudo divulgado esta segunda-feira estima que cerca de 1.700 espécies animais corram risco acrescido de desaparecer até 2070, devido à ocupação humana dos seus ‘habitats’. África, América do Sul e Sudeste Asiático são apontadas como as regiões críticas.

A lista engloba 886 espécies de anfíbios, 436 espécies de aves e 376 espécies de mamíferos, e nela se incluem o “Oreophryne monticola” (anfíbio da Indonésia), o cobo-do-nilo (antílope do Sudão do Sul), o trepador-sobrancelha (ave do Brasil) e o joão-da-palha (ave do Brasil, Argentina e Uruguai), que poderão perder quase metade do seu ‘habitat’ nos próximos 50 anos.

Segundo o estudo, publicado na revista científica Nature Climate Change, as espécies de animais que vivem na África Central e de Leste, na América Central e do Sul e no Sudeste Asiático irão sofrer as maiores perdas do seu ‘habitat’ e, por isso, o seu risco de extinção será maior. Os autores do estudo, conduzido na Universidade Yale, nos Estados Unidos, fixaram as estimativas com base em informação sobre a distribuição geográfica atual de 19.400 espécies e em projeções sobre as alterações da ocupação do solo.

Os especialistas esperam que o trabalho possa ajudar os decisores a prevenirem e a mitigarem os efeitos do cenário antevisto.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »