Portal de Angola
Informação ao minuto

“Damásio e Yuri da Cunha não são ‘fobados’ graças à bajulação ao poder”, denuncia Salú Gonçalves

Matias Damásio e Yuri da Cunha (DR)

O jornalista e apresentador de eventos culturais revelou os meandros da música angolana, a forma como olha para o País na época contemporânea e explica que tem acesso aos cachês dos músicos

Segundo avança o site angolano de cultura Marimba Selutu, estas declarações foram proferidas na última quinta-feira, 28, durante uma entrevista ao programa Conexões, apresentado por Delvechio, da Rádio Mais, emissora do grupo Media Nova, em Luanda.

Segundo o apresentador do Fala Angola, da Tv Zimbo, os jornalistas deviam ter melhores salários para evitar o surgimento de artistas que afirmam que os jornalistas são ‘fobados’. “Mas, eles (os artistas) também são ‘fobados’, particularmente esses dois [Matias Damásio e Yuri da Cunha]. Se não são ‘fobados’, foi graças à bajulação e por se terem encostado à pessoas do poder, naltura em que ganharam dinheiro”, denunciou Salú Gonçalves, desafiando Damásio e Yuri da Cunha a mostrarem e declararem os seus verdadeiros rendimentos, para sabermos se são ou não ricos.

Jornalista Salu Gonçalves conduz actualmente o programa Fala Angola, com maior audiência no país
(DR)

Para sustentar a sua denúncia, o antigo jornalista da Rádio Nacional de Angola (RNA) apontou o músico Anselmo Ralph como o único artista que provavelmente ganha dinheiro com a sua carreira e com os seus negócios.

“Eu quero que um outro qualquer (artista) me diga que ficou rico porque vendeu milhões de discos e que o espectáculo possibilitou-lhes ganhar milhões. Eu direi que é mentira! Porque, temos acesso aos cachês que os artistas ganham e que o estrangeiro, para os artistas angolanos, é só em Portugal. É aqui, em Angola, onde ganhavam milhares de dólares e hoje continuam a ganhar muito menos”, sustentou o actual apresentador mais destacado da televisão privada do País, recordando que a RNA, estação que trabalhou ao longos dos mais de 30 anos, ajudou vários artistas que apresentavam problemas de falta de recursos financeiros para tratar a saúde ou falta de espectáculos, motivados pela ausência de promoção.

Questionado se sente alguma mágoa em relação ao comportamento de Matias Damásio, depois das afrontas durante o primeiro concerto no Show do Mês, dirigido pelo promotor Yuri Simão, o apresentador oficial dos concertos da Nova Energia fez saber que não tem qualquer ressentimento.

“Estou absolutamente tranquilo porque tudo o que me vem à memória, de um ser que faz coisas as quais já denunciei no ‘Dicas e Dicas’, não merece outro sentimento senão o de pena”, reforçou, adiantando que não coloca de lado a hipótese de uma reconciliação.

Em relação ao amor, o jornalista vai mais longe e afirma: “uma pessoa que diz que só começou a sentir amor pelo próprio pai aos 23 anos, porque nessa idade começou a ganhar algum dinheiro, é uma pena. Eu sinto orgulho do meu pai desde que começo a conhecer aquela cara feia, a olhar para mim por meio de caretas e brincadeiras dele. Eu honro o meu pai porque me exigia ir à escola, porque ele amava-me acima de tudo. Eu não amo ele porque ganhei alguma dinheiro”, rematou.

SUSPENSÃO E NOVOS DESAFIOS

Durante a estreia no espaço “Entrevista Sem Maquiagem”, Salú Gonçalves revelou que chegou a ser suspenso por longos anos e obrigado a falar o que estivesse escrito, por comentar que tinha visto um certo ministro angolano a urinar na rua. “A única coisa que fala em directo era o meu nome e as horas. Ganhei muita experiência com aquele processo disciplinar”, explicou, sustentando que também tentou trabalhar para a Zap, apresentando um projecto ao Jorge Antunes, mas este negou o programa que viria a ser chamado de “EIA”.

“Quando me convidam para fazer aquele programa [na Zimbo] eu percebi que era o que eu desejava fazer. Eu quero dizer a verdade e dizer que Angola não é um país para se ter medo. Porém, para se ter coragem de avançar, deve-se ter medo de ser um corrupto, um corruptor ou um mau gestor. Mas, não se deve ter medo de dizer a verdade, de denunciar aquilo que as pessoas desejam ouvir”, finalizou o autor da célebre frase “comigo é assim, ou é ou não é!”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »