Portal de Angola
Informação ao minuto

Recenseamento militar foi prorrogado até ao dia 15 de Março

Lideres juvenis esclarecidos sobre importância do recenseamento militar (arq/DR)

O processo de recenseamento militar, que devia ter encerrado ontem, foi prorrogado até ao dia 15 de Março, para permitir que todos os jovens abrangidos e que não se registaram o possam fazer.

A informação foi avançada ontem, ao Jornal de Angola, pelo chefe do Distrito de Recrutamento e Mobilização Provincial de Luanda, coronel Francisco Franco. A decisão, disse, consta de um despacho do Ministério da Defesa Nacional.

O processo, que começou no dia 4 de Janeiro, é dirigido aos cidadãos nacionais do sexo masculino que completam ou que se presuma completarem 18 anos até ao final do ano. Vai permitir determinar o controlo das reservas aceitáveis em recursos humanos mobilizáveis, facilitando, deste modo, a renovação regular e qualitativa dos efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA), conforme
as suas necessidades. Com o mesmo, o Ministério da Defesa Nacional prevê o cadastramento de 90 mil jovens em todo o país.

Apesar de o prazo ter sido prorrogado, o coronel Francisco Franco fez já um balanço preliminar do processo, tendo concluído que Luanda superou todas as expectativas, ao registar, até ao dia 15 do mês que hoje termina, 23.287 jovens. A previsão era de recensear, na capital do país, apenas 14 mil cidadãos.

O chefe do Distrito de Recrutamento e Mobilização de Luanda apontou a escassez de modelos ou fichas como um dos grandes constrangimentos durante o processo. As quantidades solicitadas, disse, não foram suficientes, em função do número de jovens que acorreram aos postos de registos.

Segundo o coronel Franco, os municípios da Quissama e Icolo e Bengo tiveram a maior participação. “Os jovens perceberam que sem o recenseamento militar o cidadão perde todos os direitos previstos na lei”, disse.

O oficial superior das Forças Armadas Angolanas considerou satisfatório o aumento do número de jovens registados, na medida em que isso vai permitir prever o enquadramento de novos efectivos das FAA.
O coronel esclareceu, entretanto, que apesar de haver necessidade de todos fazerem o recenseamento, nem todos vão poder ser incorporados nas FAA.

Incorporação no Huambo

O Distrito de Recrutamento Militar (DRM) do Huambo espera incorporar nas fileiras das Forças Armadas Angolanas (FAA) 450 jovens nascidos entre 1997 e 1998, em obediência ao Despacho n.º 001, do Estado-Maior General das FAA.

O facto foi revelado pelo chefe do DRM, coronel Joel David, garantindo que o processo, que teve início a semana passada, está a decorrer a bom ritmo, pelo facto de os jovens estarem a aderir sem quaisquer dificuldades à chamada para a incorporação militar.
“A incorporação dos jovens nas FAA tem como objectivo principal rejuvenescer os seus efectivos, para melhorar a qualidade dos quadros no âmbito do processo de modernização e dos desafios que se avizinham”, explicou.

Os 450 jovens a serem incorporados, disse o coronel, serão enviados ao Centro de Selecção Militar da província de Benguela para, posteriormente, serem submetidos a exames médicos.

A juventude do Huambo foi incentivada a aderir ao processo de incorporação militar por tratar-se de um dever de defesa da pátria.
A Lei nº 1/93, de 26 de Março (Lei Geral do Serviço Militar) estabelece que a prestação do serviço militar é de carácter obrigatório e cumprido num dos três ramos das Forças Armadas, nomeadamente o Exército, a Força Aérea Nacional e a Marinha de Guerra Angolana.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »