Portal de Angola
Informação ao minuto

Adolescente morre no Hospital Geral de Luanda por falta de ambulância

Tomás Alberto Manuel Lusseico, 13 anos, morreu na terça-feira, 19, no Hospital Geral de Luanda, às 22 horas, depois de esperar oito horas por uma ambulância da instituição que devia o transportar para o Josina Machel, soube o Jornal de Angola junto de um dos irmãos do falecido.

Lusseico Alberto conta que chegaram às 8h00 da manhã ao Hospital Geral de Luanda, com o adolescente a queixar-se de fortes dores na coluna, tendo o médico em serviço, conhecido apenas por Jaime, depois de o observar, solicitou duas vezes, que se fizesse exame de TAC, para apurar as causas das dores, mas estes na altura deram negativo.

Em função disso, o médico emitiu às 14h00 uma guia de transferência para o Hospital Josina Machel, para que o menor fosse acompanhado naquela unidade sanitária. A transferência não se efectivou naquele momento por falta de uma ambulância.
Dada a demora, por volta das 15h00, os familiares indagaram a equipa médica, mas sem sucesso. A situação arrastou-se até às 19h00. Desesperados, estes pediram autorização à equipa médica para levar o menino ao Josina Machel pelos seus próprios meios, mas não foi aceite.

“Eles disseram que o paciente só pode ser transporta-do na ambulância do hospital”, contou o irmão.
Segundo revelou, até às 20h00, a ambulância ainda não estava na unidade hospitalar. Por essa razão, imploraram à equipa médica para que permitisse que o doente fosse levado na viatura familiar, o que foi novamente negado. Instantes depois, os familiares do adolescente avistaram uma ambulância estacionada em frente ao Banco de Urgência do Hospital Geral de Luanda, esperançosos de que o seu parente seria transportado por aquela viatura para o Josina Machel.

O grupo aproximou-se da viatura alegremente, mas, para o espanto, foram informados que a mesma não levaria o menor para o Josina Machel, porque já se encontrava morto.

“A morte do rapaz não resultou de uma negligência médica, mas sim administrativa”, disse o médico quando confrontado por familiares, alegando que passou a transferência “há muito tempo” e que se o adolescente não foi levado “a culpa não é minha”.
Abalados com a situação, os familiares prometem levar o caso à PGR, para que os funcionários em serviço naquele dia sejam responsabilizados.

Director desinformado
Contactado pelo Jornal de Angola, por telefone, o director do Hospital Geral de Luanda, Carlos Zeca, revelou desconhecimento total sobre o caso. Ficou a saber dele apenas através do contacto efectuado.

“Eu saí nesse dia do hospital às 19h30 e nenhuma família veio ter comigo a respeito disso”, salientou, para acrescentar que o Hospital Geral de Luanda não tem carência de ambulância.

“Nós temos as três ambulâncias a funcionar. Não aceito que não havia uma naquele momento”, acentuou para acrescentar que às 19h00 havia saído uma ambulância que transportou um paciente para o Aeroporto, mas que as outras duas tinham ficado no Hospital, para acudir eventuais situações de urgência.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »