Portal de Angola
Informação ao minuto

Luanda reforça combate à malária

Pico anual de pacientes de malária ainda está por vir (Ampe Rogério)

No período das chuvas, aumentam os charcos e lagoas, e consequentemente a proliferação de larvas e mosquitos, como Anopheles e o Aedes Aegypty, transmissores da Febre Amarela, Malária, Dengue, Chikungunya, Zika, dentre outras doenças.

De acordo com a Angop, para fazer face a essa situação, o governo provincial de Luanda vai, a partir do dia 15 deste mês, em todos os municípios, intensificar a luta anti-vectorial, com a promoção do uso de mosquiteiros tratados e tratamento correcto dos casos.

A pulverização intra-domiciliar com insecticida, gestão dos criadouros de larvas, fumigação, palestras, debates radiofónicos e televisivos, bem como acções de sensibilização porta-a-porta são outras acções.

Em Angola, a malária representa um problema importante de saúde pública e é a primeira causa de morte, consultas médicas e de absentismo laboral e escolar, constituindo uma das principais causas de morbi-mortalidade perinatal, aborto, parto prematuro, de baixo peso ao nascer, de anemia em mulheres grávidas e de mortalidade materna.

A malária ainda representa cerca de 35 por cento da demanda de cuidados curativos, 20 por cento de internamentos hospitalares, 40 por cento de morte perinatais e 25 por cento de mortalidade materna.

Em Luanda, durante o ano de 2018, Luanda registou um milhão 179 mil e 415 casos, com mil e 80 óbitos.

O acto de lançamento terá lugar no dia 15 de Fevereiro, no Distrito do Rangel, no Largo defronte à escola Ngola Mbandi.

Para o êxito desta jornada, o Governo da Província de Luanda apela à população em geral, ONGs e comissões de moradores a aderir a actividade.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »