Smiley face

Diretor desportivo da Juventus explica ao detalhe como contratou CR7

Desporto ao Minuto

0 25

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Fabio Paratici revela que foi Jorge Mendes quem deu conta da vontade do internacional português em rumar a Turim.

Fabio Paratici, diretor desportivo da Juventus, concedeu, esta terça-feira, uma extensa entrevista ao jornal italiano Gazzetta dello Sport, onde ‘abre o livro’ a propósito da forma como se procedeu a contratação de Cristiano Ronaldo.

O dirigente revela que tudo começou no passado dia 11 de abril. No mesmo dia em que a Vecchia Signora foi a Madrid defrontar o Real Madrid para a segunda mão dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, um simples diálogo com Jorge Mendes espoletou as negociações.

“Disse-lhe ‘O Cristiano marca golos incríveis’. Ainda tinha, nos meus olhos, com admiração e dor, a primeira mão [quando o português assinou ‘aquele’ pontapé de bicicleta]. Ele olha para mim e responde ‘Não vai acreditar, mas o Cristiano, se sair, quer ir para a Juventus. É menos estranho do que possa pensar. Depois falamos’”, recordou.

“Pensei que era uma piada, mas comecei a racionalizar. Encontrámo-nos no aeroporto de aviões privados de Linate, com Mendes e Giovanni Branchini [empresário italiano] para fechar aquele fenómeno que é o Cancelo, o que não demorou muito. Mendes olhou para mim, e agora era claro que estava a falar a sério ‘Lembra-se do outro assunto? Vai ver que o Ronaldo vai sair de Madrid. Digo-lhe claramente: ele só quer ir para a Juve. Já jogou no Manchester United, que é um dos maiores clubes ingleses, e no Real Madrid. Só vai para equipas históricas. Nunca jogou em Itália, quer vencer o título italiano. Se o quiser, ele vai’”, acrescentou.

Foi então que se começou a desenhar a transferência: “Disse-lhe ‘Está bem, explique-me um pouco daquilo que estamos a falar’. Claro que não me tinha esquecido e é claro que queria o Ronaldo. Cheguei preparado. Pensei ‘Se ele falar novamente, quero ver, como no póquer, que cartas tem na mão’”.

“‘Este é o salário, este é o valor da transferência’, disse ele. ‘Deixe-me pensar por alguns dias e depois dou-lhe uma resposta’. Não disse que não, caso contrário ele teria tentado noutro lugar”, rematou.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »