Portal de Angola
Informação ao minuto

Human Rights Watch pede à ONU que investigue violência extrema no Sudão

Rebeldes sul sudaneses (DR)

A organização Human Rights Watch (HRW) pediu hoje à ONU que investigue o uso de “violência extrema” pelas forças de segurança sudanesas durante os protestos que ocorreram no país desde dezembro para derrubar o Governo, escreve o Diário de Notícias que cita a Lusa.

“Há provas irrefutáveis de que o Sudão está a usar violência implacável e brutalidade contra manifestantes pacíficos e críticos do Governo”, disse a diretora associada para África na HRW, Jehanne Henry, em comunicado.

A organização conseguiu ter acesso a um vídeo que mostra a “extrema violência” por parte das forças governamentais e os “abusos chocantes” contra os manifestantes nas marchas pacíficas.

Nesse filme, que a organização difundiu, pode ver-se como as forças de segurança dirigem veículos armados enquanto disparam balas e gás lacrimogéneo contra os participantes na marcha, além de espancarem brutalmente os manifestantes.

Fizeram também incursões em hospitais e espalharam gás lacrimogéneo em salas de emergência, dificultando a ação dos médicos, enfatizou a HRW.

A organização relatou o caso de Babakr Abdelhamid, um médico sudanês que foi morto a tiro “a curta distância”, em 17 de janeiro, enquanto “tentava tratar os feridos” nas manifestações.

“Essas táticas violentas, que violam o essencial das obrigações internacionais dos direitos humanos do Sudão, devem terminar imediatamente e os responsáveis devem ser responsabilizados”, disse Henry.

A HRW pediu ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas para responder “com urgência à crise de direitos humanos no Sudão na sua sessão de março e garantir uma investigação independente sobre as violações cometidas desde o início dos protestos”.

O Sudão testemunhou protestos exigindo a renúncia do presidente Omar al Bashir, acompanhados por atos de violência que mataram 31 pessoas, segundo a última contagem do governo, embora a HRW, citando ativistas, calcule que “mais de 50 pessoas morreram”.

As marchas nas ruas aconteceram quase diariamente a partir de 19 de dezembro no Sudão, onde os manifestantes pedem a renúncia de Al Bashir, no poder desde 1989, após um golpe de Estado.

“A cada semana a situação piora”, disse Jehanne Henry, acrescentando que “chegou a hora de o Conselho de Direitos Humanos da ONU aumentar a vigilância e enviar investigadores para o terreno imediatamente”.

Desde 2011 que os sudaneses protestam com mais frequência e em maior número e, em 2013, o Governo do Sudão respondeu a uma onda de protestos populares com extrema violência e matou mais de 170 pessoas, segundo a HRW, não acusando nenhum dos responsáveis pelos assassinatos.

Al Bashir é alvo de dois mandados de prisão internacional por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, alegadamente cometidos na região de Darfur.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »