Portal de Angola
Informação ao minuto

Identificados túmulos das vítimas dos massacres de 1961

Familiares depositaram coroa de flores num dos túmulos (Fotografia: Marcelino Manuel| Edições Novembro)

Um projecto criado com o propósito de reconhecer e valorizar figuras históricas de Quiculungo, província do Cuanza-Norte, permitiu a descoberta de 243 túmulos e duas valas comuns, onde foram enterradas mais de mil nacionalistas locais e familiares, mortos em 1961, na sequência da repressão que se seguiu ao assalto à Cadeia de Reclusão de São Paulo, em Luanda.

Segundo o Jornal de Angola, os sepulcros estão situados nas zonas do Camboa, sede municipal, Chandula, Ngongolo, Dala-Muzemba, Cangundo, Londa e Bonzo e foram descobertos através de registos históricos e memória de sobas e outros anciãos locais, através de um programa de identificação e valorização de figuras e monumentos históricos locais, instituído pelo Ministério da Cultura, em 2010.

De acordo com o administrador municipal, David João Buba, o massacre dos nacionalistas de Quiculungo começou na manhã de 15 de Março, com o assassinato do Soba Londa Matias Fanikissa, a esposa e oito filhos e terminou a 23 de Abril do mesmo ano.

Na altura com 29 anos, Domingas Fanikissa, filha do soba, recorda que os pais e os oito irmãos saíram de casa com o propósito de responder a uma acusação de rebeldia junto das entidades administrativas locais.

Domingas Fanikissa lembra que na altura o pai era detentor de uma fazenda de café e outros bens cobiçados por colonialistas portugueses que, muitas vezes, tentaram obter com propostas inadequadas, mas sem sucesso, daí a causa da morte dos pais e irmãos, estes últimos, para não se rebelarem contra os assassinos dos seus progenitores.

O administrador David João Buba ressaltou que além dos túmulos, foram identificados a casa da PIDE-DGS (Polícia Política Portuguesa) e familiares das vítimas assassinadas na era colonial, que vão contribuir para a criação de um acervo histórico local.

David João Buba adiantou que entre os municípios de Banga e Bolongongo existem as regiões de Cazambula Mambo, floresta de Mbuiti e Fortins da Fazenda de Santa Ermínia onde foram travados vários combates entre as forças portuguesas e nacionalistas angolanos, no âmbito da resistência contra a ocupação colonial, mas que são pouco conhecidos ou referenciados.

Para o administrador, o 4 de Fevereiro deve ser um momento de profunda reflexão para os angolanos, quer sejam da velha como da nova geração, porque marcou uma fase histórica do país, com o prenúncio da Independência nacional, proclamada em 1975.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »