Portal de Angola
Informação ao minuto

Idosos criminosos: Quando a prisão é o melhor lugar para se viver

Idosos criminosos: Quando a prisão é o melhor lugar para se viver (© iStock)

O número de idosos que comete delitos puníveis com penas de prisão tem vindo a aumentar no Japão e há uma explicação triste para isso.

De acordo com o MSN que cita o Notícias ao Minuto, em 1997 apenas um em cada 20 idosos japoneses tinha cadastro criminal. Porém, duas décadas depois este número subiu para 1 em cada cinco e a explicação não tem ligação ao mundo do crime.

Uma reportagem da BBC pôs a nu esta dura realidade. Há cada vez mais idosos que vivem no Japão sem condições. A falta de dinheiro deixa-os sem um lugar para viver e sem comida na dispensa, o que lhes deixa (pelo menos no seu entender) apenas com uma solução: ir para a prisão.

O jornalista da BBC, Ed Butler conversou com Toshio Takata, um homem de 69 anos que passou quatro dos últimos oito anos na prisão.

“Quando me aposentei fiquei sem dinheiro e então ocorreu-me que poderia viver de graça na prisão”, contou à BBC.

Num país onde mesmo os pequenos delitos são severamente castigados, não foi difícil para Toshio ser preso. “Roubei uma bicicleta e fui à esquadra dizer o que tinha feito”. Dito e feito. Toshio foi condenado a um ano de prisão.

Quando saiu em liberdade, o homem voltou a desafiar a lei. Desta vez ameaçou duas mulheres com uma faca, tudo para ir novamente para a prisão. E assim tem passado quatro dos últimos oito anos.

Questionado pelo jornalista se gosta de viver na prisão, Toshio garante que não é uma questão de gostar ou não. É uma questão de necessidade.

“Não é que eu goste, mas a verdade é que vivo de graça”, refere, lembrando que mesmo estando detido continua a receber a pensão. Portanto, é uma forma de “economizar dinheiro”, o que torna tudo “menos doloroso”.

Mas este não é caso único. Keiko (nome fictício) tem 70 anos e sem ter onde morar entrou no mundo da criminalidade. “Foi a minha única hipótese: roubar”, lamenta a idosa que conta que há octogenárias que “mal conseguem andar”, mas que também estão a cometer crimes”. Porquê? “Porque não têm dinheiro, não têm o que comer”, assegura.

De acordo com a BBC, das 2,5 mil pessoas com mais de 65 anos que foram condenadas em 2016, mais de um terço era reincidente, tal como demonstra a história de Toshio.

Estes números traduzem não só o aumento da criminalidade entre idosos, como as condições em que os mais velhos vivem. Com pensões baixas, sem família, sem ter o que comer e sem ter um ombro amigo para os amparar.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »