Radio Calema
InicioMundoEuropaA dupla tragédia dos pais do menino de Málaga por quem todos...

A dupla tragédia dos pais do menino de Málaga por quem todos esperam

Os pais do pequeno Julen, que no domingo desapareceu depois de ter caído a um poço em Espanha, estão a passar pela segunda tragédia familiar em menos de dois anos. A família, que vive numa pequena localidade perto de Málaga, perdeu um filho, na primavera de 2017.

O pequeno Óliver tinha três anos, mais um que Julen, e morreu de forma repentina, quando estava a passear com a mãe na praia. “Foi assim de repente. Ficou logo ali”, contou ao jornal “El País”, um vizinho dos avós de Julen. “Foi uma tragédia muito grande para toda a família”, referiu.

Segundo explica o jornal “El Confidencial”, o menino já tinha desmaiado na rua antes daquele fatídico passeio à beira mar. Depois de ter sido observado por uma equipa de médicos, não foi possível chegar a qualquer conclusão sobre o que lhe teria acontecido.

José e Victoria, os pais dos meninos, são muito conhecidos na vizinhança. Há alguns anos mudaram-se para a zona da praia Virgina, na parte leste da cidade. Àquele jornal espanhol, os vizinhos contaram que a tragédia marcou a vida do casal. Especialmente no caso de Vicky, como é tratada a mulher naquela zona.

Por isso, quando a tragédia bateu à porta da família novamente, todos se prontificaram a ajudar. Mais de uma centena de elementos da Proteção Civil, Serviços de Emergência, Polícia local, Polícia Nacional e Guarda Civil trabalham para resgatar Julen.

Quem retirou a pedra do furo sem licença?

O empresário que fez o furo de água onde a criança caiu garantiu, ao jornal “El Español”, que tinha tapado o buraco com uma pedra, descartando qualquer tipo de responsabilidade no acidente.”Faço sempre os meus trabalhos com segurança. Se ninguém tivesse tirado a pedra, a criança não teria caído lá dentro”, disse Antonio Sanchez Gámez.

O homem, proprietário da Perforaciones Triben, ficou surpreendido quando, depois de chamado ao local da tragédia, reparou que tinha sido aberta uma vala de cinco ou seis metros de diâmetro em torno da cavidade. “Devem ter usado uma retroescavadora para mover aquela pedra. Era impossível que o tivessem feito à mão. Alguém tirou a pedra de lá. Eu não sou culpado pelo que aconteceu”, insistiu.

Apesar das afirmações do empresário, as autoridades de Andaluzia garantem que o furo foi feito sem licença. De acordo com o jornal “El País”, não houve qualquer tipo de comunicação de que aquele trabalho estava a ser feito.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.