Portal de Angola
Informação ao minuto

Via aberta para o referendo no Reino Unido

(DR)

O acordo do Brexit vai a votos na terça-feira no Parlamento britânico.

Na véspera do acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia ser votado na Câmara dos Comuns, a primeira-ministra britânica, Theresa May, sofreu esta semana um duro golpe com a aprovação de uma moção que reduz o prazo para o governo apresentar um plano B, ao mesmo tempo que abre a porta para a realização de um segundo referendo. Ao invés dos 21 dias, May terá apenas três dias para submeter uma alternativa, o que é missão quase impossível, dando azo a especulações sobre o futuro do Governo. Isto caso o acordo seja rejeitado pelos deputados na terça-feira e tudo aponta que vá acontecer, escreve o Sol.

A votação foi um sinal do que se poderá assistir no dia 15, quando o acordo for votado: uma rara aliança entre deputados conservadores com as restantes bancadas que se opõem ao acordo negociado por May. A moção, aprovada por 308 votos a favor e 297 contra, teve ajuda de 17 deputados conservadores rebeldes que se aliaram à bancada trabalhista. No que diz respeito ao acordo, deverão ser muitos mais a quebrarem a já frágil lealdade ao Governo conservador.

Quanto à realização do segundo referendo, uma exigência pedida por deputados de vários quadrantes políticos, tornou-se possível por, caso o acordo seja rejeitado, os eleitos poderem avançar com uma emenda ao plano alternativo apresentado por May – que será obrigada a fazê-lo, independentemente do conteúdo – a incluir a hipótese de um segundo referendo. Essa emenda terá de ser votada pelos deputados, o que obrigará a novos cálculos e movimentações em Westminster.

O antigo subsecretário de Estado para o Brexit, Steve Baker, está já a recolher apoios para uma declaração com um plano para o Executivo voltar à mesa das negociações com Bruxelas numa posição de força, quais as táticas a usar e que exigências devem ser feitas. «Tenho muito claro o que deve ser feito. Estou certo de que podemos delinear o caminho certo e estou confiante de que o plano certo poderá salvar as negociações», explicou Baker ao Guardian, recusando-se a dar mais pormenores.

May já tentou por várias vezes reabrir as negociações com Bruxelas, mas os líderes europeus recusaram sempre, dizendo que o acordo é final e não dando margem de manobra para qualquer negociação caso o acordo seja rejeitado no Parlamento britânico.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »