Portal de Angola
Informação ao minuto

Ronald McDonald crucificado gera ataques em museu de Israel

Diário de Notícias

(DR)

Centenas de pessoas atiraram pedras contra o Museu de Arte de Haifa, Israel. Cristãos que protestavam por uma peça intitulada McJesus, que apresenta o palhaço Ronald crucificado.

A obra, intitulada McJesus, gerou o protesto dos cristãos de Haifa, norte de Israel, que esta sexta-feira decidiram atacar o Museu de Arte de Haifa com pedras, noticia o diário israelita Haaretz. Explica que eram centenas de pessoas e que acabaram por causar ferimentos nos três polícias que faziam a segurança do edifício.

Foi o palhaço Ronald da McDonald crucificado numa cruz como se fosse Jesus Cristo que causou a indignação da população. A obra é do artistas finlandês Jani Leinonen e insere-se na exposição “Trash Culture (Cultura do Lixo), que põe em causa a sociedade e consumo. Estreou a 4 de agosto e termina a 17 de fevereiro.

Jani Leinonen é destacado pela crítica à indústria alimentar, em especial às cadeias de fast food. Entre as suas peças e instalações, vê-se o palhaço Ronald crucificado, como uma esfinge ou na guilhotina. Chama a este projeto Food Liberation Army (Exército de Libertação dos Alimentos).

Outras peças da exposição Trash Culture tiveram uma reação negativa, nomeadamente Virgem Maria Barbie e o seu namorado Ken crucificados.

A igreja católica da Terra Santa pediu que fossem retiradas as peças da exposição consideradas “ofensivas”: “Percebemos que a exposição pretende criticar a sociedade de consumo, mensagem com a qual estamos de acordo. No entanto, o uso indevido dos fatos mais importantes da nossa religião cristã é inaceitável para muitos cristãos e não-cristãos “, lê-se num comunicado da Assembleia dos Ordinários Católicos da Terra Santa. Concluindo: “Lamentamos este comportamento para com o maior símbolo do cristianismo de uma instituição que visa servir todos os cidadãos!”.

Os católicos culparam o município de Haifa e seu presidente, Einat Kalisch-Rotem, por autorizar a exposição e exigiram a tomada de medidas. o que justificam como uma tentativa de se “encontrar uma solução que garanta o respeito pelos símbolos religiosos”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »