Portal de Angola
Informação ao minuto

Brexit: Voto na terça-feira crucial no processo de saída britânica da UE

Jornal da Madeira / Lusa

(DR)

O processo da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) assiste a um momento-chave na terça-feira, quando o Parlamento britânico votar o acordo negociado pelo Governo.

“É a maior e mais importante decisão que qualquer deputado da nossa geração será convidado a tomar”, enfatiza a primeira-ministra, Theresa May, num texto publicado hoje pelo tabloide Sunday Express.

May avisa que “se o Parlamento não se unir e apoiar este acordo no interesse nacional, corremos o risco de sair sem qualquer acordo, com toda a incerteza relativa a empregos e à segurança que isso trará”.

O outro cenário é uma maioria de deputados opor-se à ausência de acordo, bloqueando a saída da UE, o que seria, afirma, uma “violação catastrófica e imperdoável da confiança na nossa democracia”.

O “acordo da primeira-ministra”, como é frequentemente descrito, foi negociado pelo Governo durante 17 meses com o objetivo de permitir uma saída ordenada, mas mantendo uma relação económica e política próxima com o bloco europeu.

O documento define os termos da saída do Reino Unido da UE, incluindo uma compensação financeira de 39 mil milhões de libras (44 mil milhões de euros), os direitos dos cidadãos e um mecanismo para manter a fronteira da Irlanda do Norte com a República da Irlanda aberta se as negociações para um novo acordo não forem concluídas até ao final de dezembro de 2020, quando acaba o período de transição.

Inclui também uma declaração política não vinculativa sobre as relações futuras com as linhas gerais para negociar um futuro acordo comercial, que preconiza uma parceria económica e uma cooperação estreita em matéria de justiça e segurança.

O principal ponto de discórdia é a solução de salvaguarda para a província britânica da Irlanda do Norte, conhecida por ‘backstop’, que é contestada tanto por adeptos como por opositores ao ‘Brexit’ devido ao risco de deixar o pais “indefinidamente” numa união aduaneira sem poder sair unilateralmente.

Para apaziguar os 10 deputados do aliado Partido Democrata Unionista (DUP), da Irlanda do Norte, o Governo divulgou na semana passada uma proposta para consultar a assembleia autónoma daquele território em Belfast antes de ativar o mecanismo.

Porém, o DUP desvalorizou a oferta, que considerou “cosmética e vazia” porque a assembleia não teria poder para anular as obrigações legais internacionais do Reino Unido.

Até terça-feira, o Governo espera ainda poder apresentar garantias adicionais da UE de que a solução de salvaguarda será temporária, as quais prometeu que iria pedir quando adiou o voto do acordo em dezembro perante a perspetiva de derrota.

Mas Bruxelas mantém que não vai reconsiderar o que está escrito no acordo nem mostrou abertura para renegociar, o que poderá limitar o impacto que a primeira-ministra deseja que estas tenham para convencer mais deputados a apoiá-la.

Hoje, o jornal Sunday Times dá conta de manobras políticas nos bastidores de deputados de vários partidos para tentar assumir o controlo dos trabalhos parlamentares e impedir uma saída da UE sem acordo, mudando, por exemplo a data do ‘Brexit’, que está inscrita na lei como sendo 29 de março.

Uma derrota do Governo poderá também dar a oportunidade desejada pelo líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, para apresentar uma moção de censura ao Governo e tentar forçar a convocação de eleições antecipadas.

A 48 horas da decisão, Theresa May, que na terça-feira vai encerrar o último dos cinco dias de debate anteriores sobre o acordo, faz hoje um apelo ao parlamento através do jornal: “Está na hora de esquecer as jogadas e fazer o que é certo para o nosso país”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »