Portal de Angola
Informação ao minuto

Restos mortais de Savimbi exumados entre Maio e Outubro

DW África

(DR)

Exumação dos restos mortais do fundador da UNITA pode ocorrer entre maio e outubro, disse à DW o porta-voz do partido. Governo diz que condições já estão criadas. Não haverá honras de Estado no funeral de Jonas Savimbi.

Depois da reunião entre o Presidente angolano, João Lourenço, e o líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Isaías Samakuva, em agosto de 2018, duas comissões têm estado a trabalhar na realização das exéquias. Uma comissão multi-setorial é coordenada por Pedro Sebastião, ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, a outra é liderada por Ernesto Mulato, dirigente da UNITA.

Pedro Sebastião disse esta quarta-feira (09.01) à imprensa que já estão criadas as condições para a cerimónia de exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi. O governante explicou também que o Executivo aguarda apenas pela disponibilidade da família e do partido do “galo negro” para realizar o teste de DNA e consequente transladação dos restos mortais para sua terra natal.

Em entrevista à DW África, o porta-voz do maior partido da oposição, Alcides Sakala, adiantou que a cerimónia pode ter lugar entre os meses de maio e outubro, altura em que já não se registará chuva em Angola. Enquanto isso, as comissões continuarão a trabalhar. “Para o teste de DNA, também indicamos que o período que melhor se apresentava para a exumação e exéquias seria o período da estação seca”, diz Sakala.

Sem honras de Estado

Em relação a um funeral oficial, Pedro Sebastião que lidera a comissão governamental, revelou que não haverá honras de Estado para o líder fundador da UNITA, já que Jonas Savimbi não pertencia à “família governamental” na altura da sua morte.

Esclareceu ainda que não existem razões para se fazer paralelismo com o funeral de Estado dado ao também falecido general Arlindo Chenda Pena “Ben-Ben”, antigo chefe-adjunto do Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA).

Sobre essa matéria, Alcides Sakala, prefere não entrar em detalhes: “O mais importante aqui é o espírito que prevalecer, que é o de concertação de pontos de vista para a definição de um programa final.”

Críticas ao Governo

Nas redes sociais, o Governo está a ser alvo de críticas por parte de alguns cidadãos, sobretudo militantes da UNITA. Os internautas entendem que a postura do Executivo pode colocar em causa o processo de reconciliação nacional em curso no país.

Para o analista e jornalista angolano Ilídio Manuel, se houvesse honras de Estado no funeral de Savimbi, “estaria a passar-se um sinal de reconciliação nacional”, o que também “implicaria um reconhecimento público pelo seu contributo na luta de libertação nacional.” Por outro lado, lembra que o Governo não é obrigado a atribuir as honras de Estado ao funeral.

Jonas Malheiro Savimbi nasceu na localidade do Munhango, na província angolana do Bié, a 3 de agosto de 1934 e morreu em combate em Lucusse, província do Moxico, a 22 de fevereiro de 2002.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »