Portal de Angola
Informação ao minuto

Quem é Félix Tshisekedi, o Presidente eleito na RDC?

No seu primeiro discurso, Félix Tshisekedi prometeu trazer de volta a paz ao país (DR)

Resultados provisórios das presidenciais na República Democrática do Congo deram a vitória ao candidato da oposição Félix Tshisekedi. Mas há quem duvide das capacidades do filho de Étienne Tshisekedi para liderar o país.

Com 38,6% dos votos, Félix Tshisekedi foi declarado vencedor das eleições presidenciais na República Democrática do Congo (RDC). Divulgado dez dias depois da votação, o resultado apanhou muitos de surpresa.

Aos 55 anos, e na liderança de um dos mais antigos partidos da oposição congolesa, a União para a Democracia e o Progresso Social (UDPS), Tshisekedi promete trazer de volta a paz ao país. “Eu e o meu irmão Vital Kamerhe teremos o Quénia como inspiração. Uma das nossas principais prioridades será devolver a paz e a segurança ao Congo, principalmente ao leste do país”, disse no seu primeiro discurso após o anúncio dos resultados, na noite de quarta-feira (09.01).

No entanto, há quem duvide das suas capacidades para liderar um país como a RDC. Entre as críticas apontadas a Tshisekedi estão a falta de experiência no campo político e de qualificações. Há também quem entenda que o vencedor das presidenciais de dezembro só foi eleito por causa do legado deixado pelo seu pai.

Sair da sombra do pai

Félix Tshisekedi é o terceiro dos cinco filhos de Étienne Tshisekedi, uma figura popular da oposição congolesa e fundador do partido UDPS. Foi por causa da oposição do seu pai ao regime do Presidente Mobutu Sese Seko que Félix Tshisekedi teve de abandonar o país, em 1985, quando tinha 22 anos, rumo à Bélgica.

É em Bruxelas que ganha a alcunha de “Fatshi” que se mantém até hoje. Na capital belga, o jovem fazia alguns biscates ao mesmo tempo que estudava marketing e comunicação, curso que os críticos dizem não ter terminado. Facto é que, mesmo durante o exílio, Félix Tshisekedi reforçou a sua posição contra o regime congolês.

Depois da morte do seu pai, em 2017, Tshisekedi chegou à liderança da UDPS. E apesar de ter já conseguido algo que o seu pai não alcançou – a presidência do país – Felix Tshisekedi terá de mostrar o que vale, diz Wendy Bashi, correspondente da DW em Kinshasa.

“Um dos grandes desafios de Felix Tshisekedi é sair da sombra do seu pai. O outro é modernizar o UDPS”, afirma Wendy Bashi. “A maioria dos membros da UDPS tem uma idade avançada. Lutou ao lado de Etienne Tschisekedi; mas há um conjunto de jovens membros do partido que estava à espera que chegasse a sua hora para poder brilhar e apresentar algo novo”, lembra.

Novo capítulo na RDC

Para já, Félix Tshisekedi mostrou-se aberto a parcerias, algo que contrasta com a liderança do seu pai. Depois de ter rejeitado uma candidatura conjunta com os demais partidos da oposição, Tshisekedi uniu-se a Vital Kamerhe, que já havia feito frente a Joseph Kabila nas eleições de 2011.

À DW, Vital Kamerhe, que deverá ser o próximo primeiro-ministro do Congo, afirma que a vitória do seu parceiro Tshisekedi abre um novo capítulo na história do país. “O povo congolês manifestou-se e devemos respeitar a sua vontade. Deve ser dito que a República Democrática do Congo acaba de entrar no círculo [de países como] o Gana e o Senegal, nos quais houve efetivamente uma mudança de regime.”

Na mesma entrevista, Vital Kamerhe rejeitou que tenha havido qualquer tipo de conversações com o Presidente Joseph Kabila. Uma acusação feita pelo também candidato da oposição, Martin Fayulu, que afirmou já não aceitar os resultados. Félix Tshisekedi deverá ser oficialmente empossado a 18 de janeiro.

UE: “Eleitores exprimiram claramente a sua escolha”

Numa declaração divulgada esta sexta-feira, a União Europeia (UE) considera que “as declarações preliminares das missões de observação internacionais e de cidadãos indicaram que o escrutínio, apesar das dificuldades encontradas, permitiram ao eleitorado exprimir claramente a sua escolha no dia 30 de dezembro”.

A UE associa-se “aos apelos da missão internacional da União Africana (UA) e do presidente da comissão da UA para que os resultados oficiais sejam conformes ao voto do povo congolês” e considera que qualquer contestação dos resultados deverá fazer-se pacificamente, recorrendo aos procedimentos previstos e ao diálogo entre as partes.

Considerando que os resultados preliminares são contestados por uma parte da oposição e dos observadores nacionais, particularmente a Conferência Episcopal Nacional do Congo, Bruxelas salientou ser “muito importante para a credibilidade do processo” que a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) prossiga o seu trabalho.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »