Portal de Angola
Informação ao minuto

Observatório quer adiamento das eleições na Ordem dos Médicos de Angola

(© iStock)

Os candidatos ao cargo de bastionário da Ordem de Médicos de Angola (OMA) solicitaram nesta sexta-feira, em Luanda, a prorrogação do prazo para a formação das comissões eleitorais provinciais, escreve a Angop.

O acto eleitoral na OMA, cujo vencedor vai substituir o também médico Carlos Pinto, está marcado para Fevereiro de 2019.

Para o novo mandato concorrem quatro candidatos: Elisa Gaspar, Mauro Freitas, Mateus Bettencourt e Luís Pascoal.

O porta-voz do Observatório Médico, Jeremias Agostinho, que falava em conferência de imprensa, avançou que os incumprimentos dos pressupostos legais, tais como a não publicação, até ao dia três de Janeiro, das listas dos concorrentes, bem como a não realização do acto nas demais províncias.

“Até ao momento não se sabe quem são os candidatos cujas propostas foram aprovadas e a ordem dos boletins de voto”, salientou.

Apontou ainda a não publicação dos cadernos eleitorais com os dados da população votante, avançando que este mês devia começar a campanha eleitoral.

De acordo com também médico, os três candidatos conhecidos até ao momento: Mário Frestas, Elisa Gaspar e Mateus Betencourt, estão impossibilitados de fazer campanha devido as irregularidades e inconformidades.

Jeremias Agostinho denunciou, no entanto, o facto de Luís Pascoal, candidato apoiado pela actual direcção, estar a fazer campanha, violando a lei eleitoral.

O regulamento é omisso no que toca a impossibilidade de voto por falta de quotas, mas, segundo Jeremias Agostinho, a comissão eleitoral alega que o não pagamento impede o votante de exercer o seu direito.

Estão inscritos na Ordem dos Médicos 6.479 profissionais, sendo 5.491 angolanos e 988 estrangeiros.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »