Portal de Angola
Informação ao minuto

Mundial de Andebol: Angola começa a caminhada frente ao Qatar

Jornal de Angola

Jogos africanos Congo Brazzaville 2015, selecção masculina de Andebol X Selecção do Quénia (Foto: Angop)

Fugir do último lugar da tabela classificativa, ou seja, melhorar o desempenho patenteado na edição anterior e, se possível, surpreender o mundo é o objectivo que anima a participação da Selecção Nacional sénior masculina de andebol, no 26º campeonato a ser jogado desde ontem na Dinamarca e Alemanha.

Angola começa a jogar hoje, às 15h30, diante da similar do Qatar, a contar para a ronda inaugural do Grupo preliminar D, cuja sede é a cidade de Copenhaga, Dinamarca.

Ao piso do Royal Arena vão subir duas equipas com historial e ambições diferentes.
Os qatarianos procuram manter-se na elite mundial e, quiçá, repetir o pódio que conseguiram na edição de 2015. Vão jogar desinibidos e sem receios, diante dos angolanos, cujas ambições passam por melhorar a pálida imagem deixada em 2017, na França.

Filipe Cruz, seleccionador nacional, tornou pública a estratégia a adoptar nesta competição. “Coesão defensiva e acutilância ofensiva” são as armas que escolheu, para tentar “surpreender” quem defrontar o combinado nacional.
A estratégia pode beneficiar do facto de o andebol angolano não estar muito visível nos grandes palcos mundiais.

O último jogo oficial da equipa angolana foi disputado em Janeiro de 2018, no Campeonato Africano acolhido pelo Gabão. O andebol angolano não tomou parte das competições africanas de clubes, o que, apesar das tecnologias existentes, dificulta o “scouting” a qualquer adversário.

A Selecção Nacional vem de um estágio na Polónia, em que demonstrou um elevado nível de concentração defensiva e, também, percentagens animadoras na concretização das jogadas ofensivas.

A prontidão do grupo é revelada por Giovani Muachissengue, atleta totalista, que em Copenhaga assinala a quarta presença em mundiais. “Estamos prontos.

A palavra que tenho para os mais jovens é que desfrutem, porque estamos na montra do andebol. Vamos jogar com os melhores do mundo, sabemos que nada é fácil, mas temos a plena consciência de que tudo faremos para dignificar o nome de Angola e do andebol masculino. O facto de Angola estar entre as 24 melhores selecções do mundo já é uma vitória!”, disse o veterano guarda-redes Geovani Muachissengue.

Para o complemento da primeira jornada, às 18h00 a Argentina joga com a Hungria e a Suécia defronta o Egipto, às 20h00.

Amanhã a equipa cumpre folga e, no domingo, às 18h00, defronta a Hungria, para a segunda jornada. A equipa comandada por Filipe Cruz volta a jogar na segunda-feira, às 20h30, com a forte selecção da Suécia. Depois do repouso, na terça-feira, 15, a equipa volta à quadra na quarta e quinta-feira, para as últimas jornadas da fase de grupos, diante da Argentina e do Egipto, respectivamente.

Giovani é o mais experimentado do grupo

Giovani Muachissengue, de 35 anos, guarda-redes e capitão da Selecção Nacional de andebol sénior masculina, é que mais vezes jogou pelo país em campeonatos mundiais.

O veterano guarda-redes estreou-se na competição ao mesmo tempo que a Selecção Nacional, que teve a primeira participação em 2005, num Mundial que teve a particularidade de ser disputado em território africano. A Tunísia foi o local de baptismo dos Guerreiros, na altura treinados pelo búlgaro Nicolae Pirgov.

Na edição seguinte, voltou a marcar presença no Mundial disputado na Alemanha, em 2007, sob batuta do angolano Beto Ferreira, voltando a merecer a confiança no técnico Alexandre Machado no Campeonato do Mundo que a França acolheu em 2017.

Além de Giovani Muachissengue, outra figura de destaque no “sete” angolano é o fisioterapeuta Agostinho Na-zaré, que também assinala quatro presenças em campeonatos mundiais.

Aliás, acompanha as selecções nacionais masculinas desde os tempos em que o actual presidente da federação, Pedro Godinho, fazia parte dela.

O seccionista João Chiloia “Langa” regista a segunda presença consecutiva.
Dos 15 jogadores presentes em Copenhaga, seis jogam pela segunda vez, depois do França’2017, nomeadamente Edivaldo Ferreira, Adelino Pestana, Rome Hebo, Adilson Maneco, Gabriel Teka e Manuel Nascimento.

Os estreantes são Custódio Gouveia, Cláudio Lopes, Otimiel Pascoal, Cláudio Chicola, Elsemar Santos, Francisco Almeida, Agnaldo Tati e Agnelo Quitongo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »