Portal de Angola
Informação ao minuto

Moradores do Baleizão recusam deixar edifício

Moradores à volta do edifício (Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro)

Os moradores do “Prédio do Baleizão”, localizado no Distrito Urbano da Ingombota, Luanda, continuam a recusar-se a abandonar o espaço, cinco dias depois de as autoridades distritais orientarem a sua desocupação, por acentuada degradação.

Em causa está a suposta falta de condições no espaço alternativo criado no bairro da Paz, distrito do Ngola Kiluange, município do Sambizanga, para acolher as 24 famílias que habitavam o edifício.

Segundo os moradores, o Bairro da Paz apresenta problemas ligados ao fornecimento de energia eléctrica, água potável, policiamento e saneamento básico.

No local de realojamento foram montadas três tendas, com cerca de 11 metros quadrados, para acolher 24 famílias, num conjunto de aproximadamente 100 pessoas.

Segundo o morador Manuel Vieira, um dos representantes do grupo que visitou o espaço de realojamento, outra razão da recusa é a falta de vedação do novo local.

Entretanto, o administrador-adjunto para a área técnica do Distrito Urbano da Ingombota, Paulo Furtado, afirmou hoje, à Angop, que o Bairro da Paz tem condições básicas, como energia eléctrica, água potável e até uma cozinha comunitária e WCs.

De acordo com o gestor, neste momento, por ser uma situação de emergência, “é impossível garantir residências definitivas ou evolutivas aos moradores afectados”.

A respeito da condição técnica do “Prédio do Baleizão”, o também arquitecto de profissão disse que está em degradação avançada e sem condições de habitabilidade.

A decisão de desalojar o edifício foi dada na última segunda-feira (7), depois que um dos apartamentos ruiu, parcialmente, gerando pânico entre os moradores.

Com 24 apartamentos e dois andares, o “Prédio do Baleizão” é um dos primeiros construídos na zona baixa da cidade de Luanda, no século 17. Localizado no Largo Infante D. Henriques, o edifício foi considerado Património Histórico do Infante Cultural, por decreto número 86, Boletim Oficial número 222 de 23 de Setembro de 1947, em Luanda.

O prédio, que completa 72 anos de existência em 2019, nunca sofreu obras de manutenção e há mais de 10 anos está privado de água canalizada. Para salvaguardar a integridade física dos moradores, a administração local vedou os acesos para o seu interior.

Desde então, a maior parte dos moradores, muitos deles a residir no espaço desde a década de 70, encontra-se acampada defronte ao edifício.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »