Portal de Angola
Informação ao minuto

Balanço oficial regista 22 mortes na contestação no Sudão

(DR)

Pelo menos 22 pessoas morreram em manifestações antigovernamentais que agitaram o Sudão nas últimas três semanas, anunciaram hoje as autoridades, enquanto os organizadores da contestação apelaram para novos protestos na sexta-feira.

De acordo com o Observador que cita a Lusa, em pleno marasmo económico, o Sudão está sob pressão desde 19 de dezembro, devido às manifestações provocadas pela decisão do Governo de triplicar o preço do pão.

As manifestações transformaram-se rapidamente num movimento contra o presidente Omar el-Béchir, que tem o país sob mão de ferro desde o golpe de Estado de 1989.

Hoje, a polícia anunciou que três manifestantes foram mortos na sequência de um protesto que classificou de “ilegal”, numa cidade de Omdurman, vizinha de Cartum.

“Abrimos um inquérito”, precisou o porta-voz da polícia Hashim Abdelrahi, em comunicado, sem fornecer detalhes sobre as causas das mortes.

No mesmo dia, milhares de pessoas juntaram-se em Cartum, sob forte segurança, para apoiar o presidente sudanês, Omar el-Béchir.

As autoridades haviam, até ao momento, confirmado 19 mortes, incluindo dois elementos dos serviços de segurança, desde 19 de dezembro.

A Organização Não Governamental (ONG) Human Rights Watch e a Amnistia Internacional deram, por seu lado, um balanço de 40 mortes.

Na quarta-feira, um médico disse à Agência France Presse (AFP) que seis manifestantes receberam tratamento no hospital de Omdurman, após terem sido feridos por tiros.

Os médicos deste hospital indicaram também que a polícia atirou gás lacrimogéneo para o estabelecimento.

“Foram também ouvidos tiros dentro do hospital”, acrescentaram em comunicado, sem precisarem quem abriu fogo.

Hoje, o governador de Cartum, Hassim Oman, acionou um comité para inquirir sobre os incidentes no hospital de Omdurman, afirmou o seu gabinete em comunicado.

O presidente Béchir e outros responsáveis políticos imputaram a violência das últimas semanas a “bandidos” e “conspiradores”, sem nunca os nomear.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »