Portal de Angola
Informação ao minuto

MPLA augura por bons resultados nas autarquias locais de 2020

O País

LUISA DAMIÃO - VICE-PRESIDENTE DO MPLA (FOTO: GASPAR DOS SANTOS)

O partido no poder, MPLA, manifestou que as eleições autárquicas previstas para o ano de 2020 configuram um desafio político incomensurável, que vai exigir de todos uma participação activa.

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, assegurou ontem, em Luanda, que as eleições autárquicas previstas para 2020 afiguram-se para o MPLA como um desafio político incomensurável, que vai exigir de todos quatro pilares fundamentais: exemplo, dedicação, resiliência e perspicácia.

A responsável do partido dos camaradas exortou aos militantes, simpatizantes e amigos do partido MPLA a participarem activamente em todo o processo da institucionalização das autarquias locais. “O reforço do papel dirigente do MPLA para apoiar o líder do partido e o Executivo no grande desafio de melhorar o que está bem e corrigir o que esta mal deve constituir uma tarefa prioritária”, advertiu.

Luísa Damião discursava no âmbito da cerimónia de cumprimentos de ano novo à direcção do MPLA na sede do partido. Referiu que a história vem demostrando que este partido é vencedor e cabe a todos a grande responsabilidade de continuar nesta senda vitoriosa, o que implica uma boa preparação, de modo a alcançar bons resultados nas eleições autárquicas e continuar a responder aos anseios, às aspirações e às expectativas dos angolanos.

Apoio ao Executivo

O partido deverá continuar a apoiar o Executivo, disse Luísa Damião, na criação de condições para que o país dê um passo em relação ao aumento da oferta de bens e serviços, bem como na geração de empregos. De igual modo, por via do seu Grupo Parlamentar, apoiar a implementação do programa legislativo da Assembleia Nacional (AN) relacionado com o pacote legislativo autárquico.

Acrescentou ainda que pretendem continuar a apoiar as linhas mestras do combate contra a corrupção, nepotismo e a impunidade que o Estado angolano leva a cabo para eliminar todos os fenómenos que prejudicam o seu desenvolvimento e “minam” a aceitação nacional e internacional das suas instituições democraticamente constituídas. A responsável manifestou a necessidade de se reforçar a relação com a sociedade civil, estreitando-a cada vez mais, de modo a consolidar o processo de construção de uma sociedade cada vez mais democrática, justa e indivisível e continuar a trabalhar para moralizar a sociedade com alguns exemplos, comportamentos e atitudes, engajando, para o efeito, todos actores sociais e afirmando cada vez mais a cidadania.

OMA

Para a responsável, a Organização da Mulher angolana (OMA) deve reforçar o trabalho de maior inserção na sociedade, tornando-se numa maior organização, cada vez mais forte, dinâmica e a interpretar fielmente os anseios e as aspirações das mulheres angolanas, como guardiã e defensora dos nobres direitos da mulher angolana e continuar a fazer advocacia em prol da igualdade do género e do empoderamento da mulher.

Apelou também a esta organização para apoiar a mulher rural, sobretudo as jovens, incentiválas a assumirem maior protagonismo na vida política, económica, social e cultural, destacando a sua participação activa nas eleições autárquicas, bem como continuar a prestar o seu contributo na moralização da sociedade, no combate ao analfabetismo e na promoção da formação política, ideológica e profissional das mulheres. Na educação para a saúde das mulheres nas comunidades, na educação das famílias no combate à violência doméstica, no fortalecimento da sua cultura jurídica e desenvolver acções que contribuam para a inclusão digital e incentivar o uso correcto das tecnologias de informação e comunicação.

JMPLA

Para o braço juvenil do partido, a JMPLA, Luísa Damião avançou a necessidade de se prestar especial atenção na preparação do seu VIII Congresso Ordinário, tendo sempre presente a estratégia de transição geracional que se vai operar na organização juvenil à luz da Carta Africana da Juventude que define 35 anos como idade limite para a juventude. O encontro contou com a presença de militantes e membros do partido, com destaque para Roberto Victor de Almeida, Julião Mateus Paulo “Dino Matross” e António Paulo Kassoma, que até à última legislatura exerceram os cargos de vice-presidente e secretário- geral, respectivamente.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »