Portal de Angola
Informação ao minuto

Atraso na construção da nova captação compromete abastecimento de água à Ndalatando

Angop

KWANZA-NORTE-POPULAÇÃO DE NDALATANDO CLAMA POR MAIS ÁGUA (FOTO: DINIZ SIMÃO)

O atraso na implementação do projecto de construção da nova captação de água no rio Lucala, no município com o mesmo nome, está a comprometer o abastecimento à Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte, anunciou quarta-feira, nesta cidade, o técnico do Gabinete provincial de Infra-estruturas, Troem Silvestre Zangui.

Troem Zangui falava durante a primeira visita de campo do novo governador do Cuanza Norte, Adriano Mendes de Carvalho, à algumas infra-estruturas sociais, momentos depois da sua apresentação aos membros do governo e da sociedade civil.

O ex-chefe do Departamento Provincial de Águas disse que o projecto, da responsabilidade do Ministério da Energia e Águas, visa fazer face “às enormes dificuldades registadas no fornecimento de água à Ndalatando e foi apresentado às autoridades locais, em Setembro de 2016, mais que até ao momento não há nenhuma informação sobre a sua implementação”.

O mesmo contempla a construção de uma captação no rio Lucala, estação de tratamento de água na vila com o mesmo nome, a 34 quilómetros de Ndalatando e uma conduta adutora.

Presentemente, o abastecimento de água à Ndalatando é garantido pelas captações instaladas no rio “Mucari” e na fonte do “monte redondo”, cujos caudais têm-se mostrado insuficientes para dar resposta à necessidade de consumo da população.

Ambas as fontes produzem actualmente 46 litros/segundo de água em épocas de chuvas, volume que tem reduzido para 32 litros/segundo, em períodos de estiagem, factor que tem estado a causar enormes transtornos no abastecimento regular às populações.

Troem Zangui explicou ao governador Adriano de Carvalho que esta situação tem prejudicado o fornecimento deste líquido, principalmente às zonas mais altas da cidade e onde chega com apenas duas horas de abastecimento.

Na ocasião, o vice-governador do Cuanza Norte para o sector Técnico e Infraestruturas, Mendonça Luís, disse à imprensa que em 2018 foi lançado um concurso público de adjudicação das obras de construção do referido projecto.

Referiu que o mesmo processo está a ser conduzido pelo Ministério de Energia e Águas que neste momento deve estar a finalizar os procedimentos administrativos para o apuramento do vencedor do referido concurso de licitação e divulgação dos termos de referência do mesmo.

Sublinhou que para assegurar o abastecimento à cidade a empresa provincial de água tem vindo a fazer o fornecimento intercalado dos bairros, de modo a distribuir a pouca água que é produzida pela captação do Mucari.

Esclareceu que a produção actual de água para a cidade ronda os 42 litros/segundo contra os 96 litros/segundos da capacidade instalada, para uma população de perto de 60 mil habitantes.

Actualmente a cidade é habitada por 168 mil, 832 habitantes segundo resultados definitivos do Recenseamento Geral da População e da Habitação de Maio de 2014 (RGPH).

Durante a sua visita de campo, Adriano Mendes de Carvalho visitou um dos locais propostos para a construção da nova captação de água para Ndalatando no rio Lucala, a actual captação do rio Mucari, a 15 quilómetros da cidade, a Estação de Tratamento de Água e a nascente da Santa Isabel, localizada no bairro Miradouro.

Nesta nascente, que até 2009 também servia de abastecimento à cidade, o governador constatou com desagrado o desperdício deste líquido proveniente de um dos reservatórios da mesma fonte, numa altura em que milhares de populares enfrentam dificuldades no abastecimento de água.

A fonte foi entregue, em 2009, a empresa “Águas Cristalinas do Cuanza Norte” que instalou no local uma fábrica de produção de água mineral, paralisada desde 2017 por razões financeiras.

O governador disse que a construção da nova captação de água para Ndalatando vai estar entre as prioridades da sua governação, pelo que vai solicitar ao ministério de tutela a viabilidade para a implementação do mesmo projecto.

O mesmo lamentou o facto de a província dispor de um enorme potencial hídrico e ainda assim a população continuar a debater com problemas graves no abastecimento de água.

“Olha para este caudal (do rio Lucala) tão bonito. Para onde vai essa água? Passa por aqui vai ao Kwanza e posteriormente ao mar, então porquê não aproveitarmos?”, indagou o governante.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »