Radio Calema
InicioDestaquesPastores da IURD acusam direcção da igreja de os ‘condenar a esterilidade’

Pastores da IURD acusam direcção da igreja de os ‘condenar a esterilidade’

Pastores da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, estão a ser obrigados a fazer vasectomia, para que não possam ter filhos, com intuito de usufruírem os benefícios que a igreja proporciona.

Segundo acusação de um grupo de pastores que rejeita fazer tal operação, o líder da ferida igreja em Angola, Carlos Alberto, de nacionalidade brasileira, presidiu uma reunião com todos os pastores estaduais, provinciais e regionais, onde os orientou a usar o método contraceptivo, sob pena de perderem os benefícios que a igreja oferece aos pastores.

De acordo com a denúncia de pastores da referida igreja que preferiram anonimato, o bispo em causa alega que uma vez feita esta operação, a igreja reduz gastos desnecessários com os filhos dos pastores, além de permitir a deslocação destes por qualquer parte do mundo em missão de serviço.

Para os que aderirem a operação, segundo contam, a igreja promete maiores benefícios, desde residências luxuosas em condomínios em Talatona, dirigir igrejas mais luxuosas e que mais dinheiros arrecadam.

Segundo a mesma fonte, nesta altura vinte pastores que rejeitaram fazer a cirúrgia, entre os quais moçambicanos, foram ameaçados em serem transferidos para países com péssimas condições de trabalho e acomodação.
Os pastores reclamam ainda que, desde a chegada do actual líder da IURD em Angola, Bispo Carlos Alberto, cerca de setenta pastores foram obrigados a fazer tal operação sob ameaças e intimidação,

Casamento só entre ‘mbacos’

Para os pastores jovens que pretendem se casar, acrescentam, a igreja só aceita caso o homem faça tal operação, caso contrario o casamente não é permitido.
Silêncio Total.

O Portal de Angola tentou contactar o Bispo Valente, por telefone, mas as chamadas não foram atendidas.
Vários vídeos já estão publicados na Internet

Na Internet, estão disponíveis vídeos produzidos no Brasil com depoimentos de ex-pastores brasileiros que abordam a decisão polémica da Igreja Universal do Reino de Deus, que, afinal, não é de cumprimento exclusivo apenas dos pastores que trabalham em Angola.

Num dos vídeos, intitulado “Bispo Macedo proíbe pastores de terem filho”, divulgado a 20 de Junho de 2014, aparece uma jornalista brasileira, da revista “Veja”, a entrevistar um ex-pastor da IURD. Questionado sobre o assunto, afirmou que sim, acentuando que “um crente que queira ser pastor deve passar por várias fases”.

O ex-pastor revelou que a igreja tem como preferência, para o exame de vasectomia, pessoas solteiras, sobretudo jovens de 25 anos, por ser mais fácil levá-los a aceitar a doutrina da igreja. O antigo membro da igreja contou que, antes de ser submetido à vasectomia, o pastor é convidado a assinar um “termo de compromisso” que o impede de falar contra a igreja. “Se ainda assim o fizer, a IURD usa o referido documento contra ele”, denunciou.

Segundo o ex-pastor, a ideia de submeter os pastores à vasectomia, garantiu, visa impedir que a igreja tenha muitos gastos. “Quanto mais filhos o pastor tiver, mais gastos a igreja tem”, afirmou o ex-pastor, cujo relato colide com o argumento que tem sido avançado pela direcção da IURD em Angola para justificar a decisão de submeter os pastores à vasectomia.

Jornal de Angola já provou do ‘silêncio da IURD’

Depois de duas deslocações feitas sem êxito à catedral do Maculusso, onde se localiza a sede da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola, para obter presencialmente uma reacção oficial, o Jornal de Angola fez chegar na passada quinta-feira à IURD um questionário com 11 perguntas, enviado para o e-mail do porta-voz da igreja, pastor Jimi Inácio, com quem combinou o procedimento numa conversa ao telefone, tendo este responsável garantido que as respostas seriam dadas no mesmo dia.

Ao contrário do que se esperava, a igreja recusou-se a responder ao questionário por ter ignorado a denúncia feita por fontes que a IURD diz não serem sérias, por “não terem mostrado o rosto”. O pastor Jimi Inácio apresentou este argumento numa conversa telefónica na noite de quinta-feira, depois de várias tentativas feitas pelo Jornal de Angola para o contactar com o objectivo de saber a que horas as respostas ao questionário seriam enviadas.

O porta-voz afirmou que “a igreja não se pronuncia agora”, podendo uma reacção ser feita “com recurso a mecanismos jurídicos”, caso o Jornal de Angola insista em publicar a denúncia.

A Universal está presente em mais de 100 países. A sua trajectória internacional começou nos Estados Unidos e, actualmente, tem mais de dois milhões de fiéis.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.