Smiley face

“Terra natal de Jonas Savimbi não reúne condições para receber milhares de angolanos na cerimónia das exéquias” – UNITA

0 102

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

De acordo com o Novo Jornal Online, o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, justificou que a terra natal do ex-líder do partido, Jonas Malheiro Savimbi, abatido durante a guerra civil, em 2002, não tem infraestruturas para receber os milhares de angolanos que estarão na cerimónia das exéquias fúnebres que poderão acontecer na estação seca deste ano.

Segundo Alcides Sakala, Jonas Savimbi “é uma figura importante na arena política nacional e internacional e as suas exéquias vão mobilizar milhares de angolanos que gostarão de prestar homenagem à sua memória”.

Alcides Sakala considera “um passo importante” a manifestação de vontade do Presidente da Republica, João Lourenço, para cooperar com a família e com a UNITA, a fim de concretizar este processo.

“Há questões importantes a ter em atenção neste processo para que termine de forma com a dignidade que merece, que é a realização do teste do ADN e a inumação realizar-se na estação seca por razões obvias”, afirmou.

O deputado Alcides Sakala lembrou que estão a decorrer discussões entre o partido e o Governo para a definição de um calendário para a operação.

O deputado da UNITA, Ernesto Mulato, que coordena a comissão das exéquias fúnebres, disse ao NJOnline que Jonas Savimbi merece um funeral condigno, dada a sua dimensão.

“O ex-líder do nosso partido foi enterrado sem ter sido entregue à família e sem um funeral tradicional. O Governo e a UNITA têm a responsabilidade de realizar esse acto fúnebre condignamente”, acrescentou.

Para Ernesto Mulato, “todas as condições estão a ser criadas para que este ano os restos mortais de Jonas Savimbi repousem na sua terra natal”. “Tudo será resolvido este ano”, concluiu.

Recorde-se que Jonas Savimbi foi morto em combate a 22 de Fevereiro de 2002, perto de Lucusse, na província do Moxico, após uma longa perseguição efectuada pelas Forças Armadas Angolanas.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »