Portal de Angola
Informação ao minuto

Rússia e recuperação das bolsas leva petróleo a disparar mais de 7%

Jornal de Negócios

(DR)

As previsões de menos volatilidade em 2019 e a promessa de uma intervenção pronta, que chegam da parte da Rússia – um dos maiores produtores de petróleo do mundo – justificam a subida das cotações da matéria-prima, que ascendem a terreno positivo depois de marcaram novos mínimos esta manhã. A subida das bolsas também dá uma ajuda.

As cotações de petróleo voltaram aos ganhos depois de o ministro da Energia russo, Alexander Novak, ter previsto um mercado mais estável para a matéria-prima em 2019, tendo em conta o plano de cortes na produção e a reacção pronta que diz poder esperar-se da parte da Organização de Países Exportadores de Petróleo e respectivos aliados (OPEP+), grupo no qual a Rússia se insere.

A impulsionar a cotação da matéria-prima está também a recuperação forte dos mercados accionistas, já que os índices accionistas em Wall Street acentuaram os ganhos da abertura e marcam agora subidas de cerca de 2%.

O barril de Brent, negociado em Londres e referência para a Europa, segue a somar 7,15% para os 54,08 dólares, depois de ter registado uma queda de 1,07% para os 49,93 dólares durante a manhã, descendo desta forma da fasquia dos 50 dólares. Em Nova Iorque, o preço do barril já está a ganhar 8,23% para 46,03 dólares.

O recobro das cotações da matéria-prima surge numa altura em que a produção nos Estados Unidos assombra os investidores, que receiam que os cortes acordados pela OPEP não sejam suficientes para superar o crescimento das reservas norte-americanas. Na última sessão, de segunda-feira, assistiu-se a uma quebra de 6,2% nos preços do petróleo em Londres.

A “caça às pechinchas” depois do “sell-off” que se verificou durante a época natalícia são outra justificação para a recente recuperação do petróleo, apontada por um analista da Emirates NBD. Uma vez de volta aos volumes habituais de negociação, “esperamos que os investidores voltem a olhar aos indicadores fundamentais, os quais apontam para um início brando para 2019”, prevê o mesmo analista.

Apesar da redução na oferta acordada no início deste mês pela OPEP e seus aliados, o petróleo já caiu mais de 40% desde os máximos de quatro anos alcançados em Outubro, devido às perspectivas de um excesso de oferta no mercado, numa altura em que os Estados Unidos estão a produzir a um nível quase recorde.

Ao mesmo tempo, a guerra comercial do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com a China e aos seus crescentes diferendos com o líder da Fed, Jerome Powell, pioraram ainda mais as perspectivas para o crescimento global no próximo ano.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »