Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

17 de Dezembro de 1663: Morre a célebre Rainha Njinga

(DR)

Dados bem avançados atestam a provável data do nascimento da Rainha Njinga, em 1582. Todos os registos consultados até hoje apontam que era bela, muito linda e inteligente, a negra.

Filha do Soberano Njinga a Mbande Ngola a Kilwanji Kya Samba e de Kengela a Khangombe. Todavia, ela, de seu nome completo Njinga Kangola a Mbande (kangola significa príncipe ou princesa) nasce num período conturbado em que os portugueses completavam cem anos de permanência em Angola e fustigavam fortemente pelas armas, a terra de seu pai, o Reino do Ndongo, sede do império Ngola, para dela se apossarem e continuarem com o sequestro de negros que eram transformados em escravos.

Sete anos depois, a 9 de Maio de 1589 morre em combate, em Kambambi, o pior inimigo de seu pai, ou seja Paulo Dias de Novais, o português que (a)fundou a cidade de Luanda. Ngola a Kilwanji morre em 1617 e lhe sucede no trono, o filho, irmão de Njinga, Ngola a Mbande. A guerra dos portugueses para a tomada definitiva do Ndongo continuou, assim que em 1622, Njinga que na altura residia na região do Lukala vem a Luanda negociar o primeiro acordo de paz, com os portugueses.

Com a morte de Ngola a Mbande, em 1626, Njinga toma o poder e com um poderoso exército criado clandestinamente ataca os portugueses, com o objectivo de expulsa-los de Angola e acabar com o tráfico de escravos. Nesta primeira tentativa, ela quase que consegue, não fosse o Governador Fernão de Sousa eleger o capitão Bento Banha Cardoso com um grande aparato militar europeu de última geração.

Este arsenal derrota por completo a Rainha, pois que são mortas todas as chefias militares dela e aprisionada toda a sua Côrte e como que, por milagre, até hoje impossível de desvendar, só ela consegue se escapar, em 25 de Maio de 1629.

Três meses depois , já ela está recuperada. A Rainha monta uma emboscada fatal em Kindonga. Numa luta titânica, Njinga vence o exército de Banha Cardoso e vinga-se, da humilhação porque passou. Nesta mesma altura, Banha Cardoso viria a falecer.

De 1641 a 1647, com ajuda dos holandeses, quase que expulsa novamente os portugueses desta parcela de África. Mas, de Julho a Agosto de 1648, do Brasil vem uma armada chefiada por Salvador Correia de Sá. Este, numa perseguição impiedosa lhe impõe uma forte guerra que salva novamente os portugueses e expulsa os holandeses de Luanda. Embora ela soube sempre defender-se dos ataques do Capitão Brasileiro que era sobrinho de Estácio de Sá, mesmo assim, seu sonho de correr com os invasores/sequestradores ficou mais uma vez adiado.

Em 12 de Outubro de 1656, ela assina o último tratado de paz com os portugueses e sete anos depois, a 17 de Dezembro de 1663 morre, aos 82 anos. Costuma-se dizer que, para aquele tempo e pela vida sem tréguas que levou pode-se considerar que Njinga morreu, de idade avançada, sem nunca ter sido morta ou capturada, como era desejo persistente dos europeus.

O mais curioso é que, mal os portugueses se aperceberam da sua morte lançaram uma ofensiva de grande envergadura, para conseguir o que não conseguiam, quando Njinga em vida. Deste modo, sete mil homens que pertenciam a guarda da Rainha foram capturados e por vingança levados como escravos, para o Brasil.

Mas, o sonho de Njinga, em expulsar os invasores vai ser concretizado, no dia 11 de Novembro de 1975, com a proclamação da independência de Angola, após 312 anos, da sua morte.

Por John Bella Bela

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »