Smiley face

400 milhões do “Crédito Jovem” foram desviados para o exterior, denuncia Guilhermina Fundanga

0 491

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A secretária de Estado para a Juventude, Guilhermina Fundanga, denunciou ontem, em Luanda, que a maioria dos beneficiários do “Crédito Jovem” prejudicaram o Estado em mais de 400 milhões de dólares, com supostos projectos de investimentos, destaca o Jornal de Angola

Guilhermina Fundanga falava à imprensa à margem de uma palestra realizada no Complexo Futungo II sobre o tema: “A juventude e o empreendedorismo, políticas públicas”, organizada pelo Centro de Formação Política do MPLA e dirigida aos seus militantes e da sua juventude.

A secretária de Estado para a Juventude disse que, após tomada de posse, a actual direcção do Ministério da Juventude e Desportos avaliou a implementação de vários projectos daquele departamento ministerial, tendo percorrido em todas as províncias para verificar o seu impacto nos jovens.

“Chegávamos a determinadas províncias e questionávamos se os jovens tinham recebido o crédito e a resposta foi não”, disse, sublinhado que registaram muitos “vícios” na implementação do programa “Crédito Jovem” pelo anterior Executivo, apesar de boa intenção do Estado de criar a iniciativa para beneficiar a juventude angolana.

“Beneficiaram jovens que tinham alguma influência por parte daqueles que estavam no Executivo, demos conta disto através de documentos dos jovens que beneficiaram de créditos”. Guilhermina Fundanga disse ainda que muitos dos beneficiários deste crédito transferiram o dinheiro para o exterior do país, não investindo em Angola como era o propósito, e contabilizado, o Estado ficou prejudicado em mais de 400 milhões de dólares.

A responsável disse que, nalguns casos, a não aplicação do dinheiro em projectos concretos impossibilitou o seu reembolso ao Estado e, consequentemente, serviu para que outros jovens não beneficiassem de empréstimos.

A secretária de Estado para a Juventude disse que, depois desta constatação, o Ministério da Juventude e Desportos, sob orientação do Titular do poder Executivo, cancelou a concessão do crédito e está a trabalhar agora na reorganização do programa para reiniciar todo o processo.

“É um processo em que trabalhámos com bastante paciência e quando tivermos as condições criadas, então vamos reabrir. A verdade é que, de momento, o Governo preferiu cancelar “, disse. A governante disse estar preocupada com aumento do consumo de bebidas alcoólicas no país, apesar do agravamento das taxas de importação. Ela referiu que o Ministério da Juventude e Desportos está a trabalhar no sentido de ver se o consumo excessivo de álcool está relacionado com a falta de emprego da juventude.

Em carteira, disse, existem vários projectos que estão a ser desenvolvidos pelo Ministério e pelo Conselho Nacional da Juventude, apesar das dificuldades financeiras que o Estado enfrenta.

Experiência do MPLA

O deputado Nuno Carnaval falou no encontro sobre as políticas do MPLA para a juventude onde destacou o programa “Angola Jovem”. O deputado disse que o MPLA sempre soube se adaptar a cada fase de concepção e materialização de políticas para a juventude.

O parlamentar indicou que, com o alcance da paz definitiva em 2002, a tarefa principal do Governo foi mobilizar a juventude para o amplo processo de reconstrução nacional e a abertura de linhas de crédito para que jovens empreendedores pudessem desenvolver iniciativas empresariais.

Em 2006, disse, o Governo aprovou um Plano Executivo de Apoio à Juventude, onde constava o programa “Angola Jovem”,
que foi materializado em todo o país. Em 2013, lembrou, o Executivo realizou um amplo movimento de auscultação nacional sobre a juventude e que resultou na realização do primeiro Fórum Nacional da Juventude.

Nuno Carnaval disse que, no novo ciclo político, é preciso que as políticas públicas sejam maioritariamente dirigidas à juventude por ser a maior franja da população angolana. A nova liderança do país e do MPLA, disse, tem
uma visão de proximidade e inclusão com a participação da sociedade civil.

Disse ser necessário que o Ministério da Juventude e Desportos aprimore os mecanismos de articulação com outros departamentos ministeriais que atendem questões ligadas à juventude.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »