Portal de Angola
Informação ao minuto

Campeãs regressam hoje

Mesmo renovado “sete” angolano passeou classe e impôs a sua categoria às adversárias (DR)

O “pisa”-“pisa” e o “lhe avança”, eventualmente, hoje serão entoados no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, a partir das 18h00, à semelhança do sucedido no balneário, quando a Selecção Nacional sénior feminina de andebol desembarcar com o troféu do 13º título Africano das Nações, conquistado em Brazzaville, Congo, avança o Jornal de Angola.

As Pérolas, mais uma vez, aromatizaram o continente berço com o seu perfume, desta feita na 23ª edição da prova, ganha pela defesa aguerrida imposta às senegalesas desde o minuto 20 da primeira parte, e no decorrer da etapa complementar.

De ouro ao peito, assim será o regresso do conjunto mais titulado do continente, com triunfo por 19-14, na final diante do Senegal. Quando tudo parecia estar perdido, no Pavilhão Nicole Oba, eis que as “senhoras de ouro” levantaram as cabeças, correram atrás do resultado e protagonizaram uma espectacular cambalhota.

Empenho, dedicação, coragem e força de vontade foram as características das jogadoras que mais saltaram à vista na luta pelo troféu. Teresa Almeida “Bá”, Isabel Guialo, Aznaide Carlos, Magda Cazanga, Elizabeth Cailo, Albertina Kassoma e Joana Costa estavam incrédulas com o resultado do placar.

No banco, o nervosismo também era visível. Morten Soubak puxava pelas atletas e na bancada VIP, a ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula do Sacramento Neto, com o semblante carregado continuava atenta às movimentações da equipa.

A claque angolana estava silenciosa, ao passo que a do Senegal persistia ruidosa. Golo a golo foi resposta a legalidade na quadra, e no final choros, abraços e gargalhadas fizeram parte da festa.

Sete jogos, igual número de vitórias. Durante dez dias, as Pérolas passearam toda a sua classe e fizeram jus à condição de favoritas. Focadas na conquista do ceptro, dois estágios marcaram a preparação do “sete” nacional.

Angola começou o CAN do Congo com vitória expressiva (40-17) sobre a Guiné Conacri, Marrocos (50-14), Congo Democrático (33-24) e Congo (32-19). Nos quartos-de-final (41-17) sobre a Argélia, na meia-final (25-16) com os Camarões e (19-14) na final com o Senegal.

No cômputo geral, a selecção marcou 240 golos, média de 34,2 por jogo, sofreu 121, média de 17,2 e terminou a prova com saldo positivo de 119 golos. Os números evidenciam a superioridade das Pérolas.

Peripécias

Alguns “incidentes” marcaram a fase derradeira do Africano. No final do jogo, a lateral direita Aznaide Carlos, em declarações ao Jornal de Angola, revelou que após o jogo da meia-final, sem causa aparente, o joelho direito inflamou.

A equipa médica, liderada por João Mulima, não poupou esforços para recuperar a jogadora. “Começamos o tratamento, mas a situação era difícil. A poucas horas do jogo, fiz oito injecções de modo a reduzir a inflamação e ajudar o grupo. Tenho as nádegas inflamadas, e fui eleita a melhor em campo. Não há melhor bálsamo”, disse.

Por outro lado, fonte ligada à delegação do “sete” nacional afirmou que duas velas acesas e objectos estranhos foram colocados debaixo do autocarro. “Questionámos os seguranças sobre o significado daquilo, mas ninguém respondeu. Parecia coisa de espiritismo”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »