Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Receitas diamantíferas crescem 62% em dez meses

As receitas fiscais resultantes da actividade diamantífera em Angola, colectadas entre Janeiro e Outubro último, atingiram os 18,9 mil milhões de kwanzas, representando um crescimento de 62 por cento face ao período homólogo de 2017.

Segundo noticia a Angop, o preço médio por quilate teve um aumento de 39,4% para USD 156,3, enquanto a quantidade exportada se situou em oito milhões de quilates, uma subida de 11,9% em relação ao período anterior, segundo o Relatório de Conjuntura Económica Novembro de 2018, produzido pelo Banco BAI a que a Angop teve hoje acesso.

Relativamente à composição das receitas, ressalta-se que cerca de 12,6 mil milhões de kwanzas resultaram de royalties, com 59,7%, que representaram 67% do total, e 6 mil milhões de kwanzas do imposto industrial, com 67,4%, que teve um peso de 33%.

O documento destaca também a nova política de comercialização de diamantes, aprovada pela Executivo, que acabou com anterior regime de clientes preferenciais, o que permite agora às empresas diamantíferas vender livremente até 60 por cento da sua produção.

A produção de diamantes em 2017 atingiu 9,4 milhões de quilates, proporcionando uma receita bruta de 1100 milhões de dólares, resultante da venda ao preço médio de 113 dólares por quilate.

A meta do Executivo angolano, com base no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022, é atingir os 13 milhões de quilates/ano.

Receitas não petrolíferas

No mesmo período, as receitas fiscais não petrolíferas fixaram-se em 1.342 mil milhões de kwanzas, correspondendo a um aumento de 24% em termos homólogos.

O valor colectado corresponde a menos 7% do que estava inicialmente previsto no OGE para os primeiros dez meses de 2018.

Contudo, em comparação com a revisão da Programação Macroeconómica (PME 2018), efectuada recentemente pelo Governo e divulgada em conjunto com a proposta do OGE 2019, observa-se que as receitas arrecadadas até Outubro superam, em 17%, os 1.142,9 mil milhões apontados.

Os três impostos que mais contribuíram para o total das receitas foram o Industrial (26% do total), o do Rendimento do Trabalho (17,5%), e o do Consumo (17,5%), que ascenderam a AKZ 348 mil milhões, AKz 236 mil milhões e AKz 235 mil milhões, respectivamente.

Já o Imposto sobre a Aplicação de Capitais (IAC) apresentou o maior crescimento face ao ano transacto (52%), seguido dos emolumentos gerais aduaneiros e do Imposto sobre as Importações, que variaram 46% e 43%, respectivamente.

Entretanto, o relatório alerta que, tendo em conta a contracção de 6% do PIB no primeiro semestre, o aumento dos valores do IRT e do Imposto Industrial podem estar desfasados da realidade.

Porém, esta evolução deverá corresponder a um alargamento da base tributária, num momento em que o controlo fiscal teoricamente tem vindo a aumentar.

O documento destaca também que as receitas dos grandes contribuintes registaram um crescimento de 4%, em termos homólogos, no primeiro semestre, pelo que se supõe que esta tendência deverá ter continuado nos quatro meses subsequentes.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »