Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

FMI aprova ajuda de 3,7 mil milhões a Angola, mil milhões vêm de imediato

Expansão

No âmbito do programa que coloca Angola sob a alçada do FMI nos próximos três anos, com avaliações semestrais, o Governo compromete-se “aumentar as receitas não petrolíferas, incluindo a introdução de um imposto sobre o valor acrescentado, eliminar subsídios e pagar atrasados internos, entre outras medidas.

A comissão executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou esta sexta-feira uma ajuda financeira a Angola no valor de 3,7 mil milhões USD, dos quais 990,7 milhões USD serão libertados imediatamente, sendo o montante remanescente desembolsado longo da duração do programa de três anos, sujeito a avaliações semestrais.

De acordo com o Tao Zhang, director executivo adjunto, o empréstimo ajudará Angola “a restaurar a sustentabilidade orçamental e externa e lançará as bases para uma diversificação económica sustentável liderada pelo sector privado”.

“Os pilares críticos do programa incluem a consolidação orçamental, para levar a dívida a níveis mais seguros; maior flexibilidade da taxa de câmbio, para recuperar a competitividade; e a redução da inflação com o apoio da política monetária”, precisou Zhang. “O fortalecimento do sistema bancário; permitindo um melhor ambiente de negócios; actualizar o quadro legal sobre o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo; e melhorar a governação”, são outros dos pilares do programa enumerados pelo responsável.

No âmbito da consolidação orçamental considerada pelo FMI elemento central do programa, as autoridades de Luanda comprometeram-se com Washington a “aumentar as receitas não petrolíferas, incluindo a introdução de um imposto sobre o valor acrescentado, eliminar subsídios e pagar atrasados internos”.

“Proteger os pobres e os mais vulneráveis é igualmente um elemento importante do programa”, na opinião da instituição.

“A 7 de dezembro de 2018, a comissão executiva do FMI aprovou um EFF [acrónimo de programa de financiamento alargado] de três anos num valor de 2,673 mil milhões de SDR [acrónimo inglês] de Direitos de Saque Especiais, um cabaz de divisas utilizado pelo fundo como moeda contabilística] para apoiar o programa angolano de reformas económicas”, lê-se num comunicado publicado no site da instituição.

Em dólares são cerca de 3,7 mil milhões USD o equivalente a 361% da quota de Angola no FMI. Como o Expansão noticiou na edição desta sexta -feira, o valor fica abaixo dos 4,5 mil milhões previstos pelo Ministério das Finanças. De acordo com um comunicado colocado na página da internet do Ministério liderado por Archer Mangueira, e entretanto retirado sem qualquer explicação, “o programa de apoio financeiro do FMI tem uma previsão de 4,5 mil milhões USD a ser desembolsado em três anos, numa média de 1,3 mil milhões USD/ano”.

As contas do MinFin baseavam-se no “acesso normal” ao EFF que tem como limite de financiamento o equivalente a 435% da quota do país no fundo, sendo que os desembolsos anuais não podem ultrapassar 145% da quota. Os EFF têm a duração de três anos que pode chegar aos quatro e um período de reembolso entre 4,5 anos e 10 anos. Excepcionalmente, numa base caso-a-caso, os limites previstos no “acesso normal” podem ser ultrapassados, embora o Fundo não adiante valores.

Angola tem uma quota de 740,1 milhões de SDR, acrónimo inglês de direitos especiais saque, moeda de reserva do fundo, correspondente a cerca de 1.043 milhões USD. Feitas as contas, em condições “normais” Angola poderia receber um empréstimo de até 4.538 milhões USD, com desembolsos anuais máximos de 1.513 milhões USD.

O programa de financiamento alargado destina-se a apoiar países: (i) com sérios desequilíbrios de pagamentos devido a impedimentos estruturais; ou (ii) caracterizados por crescimento lento e défices na balança de pagamentos.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »